Brasil bate mais um recorde trágico e ultrapassa 3.000 mortes diárias

Brasil bate mais um recorde trágico e ultrapassa 3.000 mortes diárias

O Brasil teve na terça-feira o seu dia mais trágico desde o início da pandemia, após ter ultrapassado, pela primeira vez, os três mil mortos (3.251) devido à covid-19 num único dia, informou o executivo

No total, a nação sul-americana perdeu 298.676 vidas desde fevereiro do ano passado, mês em que a covid-19 chegou ao país, segundo dados do último boletim epidemiológico difundido pelo Ministério da Saúde.

O recorde anterior de mortes havia sido alcançado na última terça-feira, quando foram registados 2.841 óbitos em 24 horas.

Em relação ao número de infeções, foram contabilizados 82.493 casos positivos entre segunda-feira e hoje, num total de 12.130.019 diagnósticos de covid-19 em solo brasileiro.

Os números desta terça-feira elevaram as médias de casos e de mortes para novos patamares recorde. A média de número de infeções subiu para 76.545 por dia, enquanto que a média de mortes passou para 2.436.

Hoje, à semelhança do que tem acontecido nos últimos dias, o Brasil é, de longe, o país com maior número de vítimas mortais e de novos casos em 24 horas, bem abaixo dos Estados Unidos.

Estes números confirmam o Brasil como o país com mais mortes e infeções pelo novo coronavírus acumulados na última semana, em todo o mundo, sendo a segunda nação com maior número total de óbitos e infeções, apenas atrás dos Estados Unidos.

Naquele que é o momento mais critico da pandemia no Brasil, a taxa de incidência da doença no país subiu hoje para 142 mortes e 5.772 casos por 100 mil habitantes, segundo a tutela da Saúde.

São Paulo continua a ser o foco da pandemia no país, ao ser responsável por 2.332.043 casos e 68.623 mortes do país. Aquele que é o Estado mais rico e populoso do Brasil, com 46 milhões de habitantes, registou hoje um recorde de 1.021 vítimas mortais em 24 horas.

O último recorde em São Paulo havia sido registado na terça-feira passada, momento em que 679 óbitos foram contabilizados em 24 horas.

Os números trágicos foram registados no primeiro dia da gestão do novo ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga, que tomou hoje posse numa cerimónia discreta em Brasília, sem a presença da imprensa.

A gestão do seu antecessor, um militar sem experiência médica, general Eduardo Pazuello, tem sido amplamente criticada, à medida que o país avança numa crise de saúde descontrolada.

Face ao agravamento da pandemia, que levou ao risco iminente de falta de oxigénio em seis Estados brasileiros, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sugeriu que todas Unidades Federativas e cidades classificadas com “alerta crítico” devido à lotação de camas de cuidados intensivos restrinjam todas as atividades não essenciais por 14 dias

À exceção do Amazonas e Roraima, todos os Estados do Brasil e o Distrito Federal estão na classificação de “alerta crítico”, segundo a recomendação feita no boletim extraordinário do observatório covid-19 da Fiocruz, maior centro de investigação científica da América Latina.

Os especialistas pedem ainda o uso obrigatório de máscaras por pelo menos 80% da população, visando alcançar a “redução de cerca de 40% da transmissão”.

“Este colapso não foi produzido em março de 2021, mas ao longo de vários meses, refletindo os modos de organização para o enfrentamento da pandemia no país, nos estados e nos municípios”, aponta o documento.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.732.899 mortos no mundo, resultantes de cerca de 123,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Brasil identifica novas linhagens mais transmissíveis de COVID-19 no país

BrasilSociedade

Quatro em 10 pessoas com diabetes morreram após internação por Covid no Brasil

BrasilSociedade

Cidades de São Paulo recomendam uso de máscara em escolas

BrasilSociedade

Brasil terá geração mais pobre com fechamento de escolas na pandemia

Assine nossa Newsletter