‘Hipopótamos da cocaína’ devem ser todos abatidos - Plataforma Media

‘Hipopótamos da cocaína’ devem ser todos abatidos

Os descendentes dos hipopótamos de Pablo Escobar, conhecidos como ‘hipopótamos da cocaína, têm aumentado de número ao longo dos anos.

O problema não é novo. Na década de 80, Pablo Escobar adquiriu quatro hipopótamos – um macho e três fêmeas – para o seu jardim zoológico pessoal no seu famoso rancho, a “Hacienda Napoles”. Após a sua morte, a maioria dos animais foi transportada para outros locais, mas os hipopótamos permaneceram e ao longo dos anos reproduziram-se de forma significativa.

A população dos descendentes dos hipopótamos de Pablo Escobar cresceu tanto perto da bacia do rio Magdalena – passaram de 35 em 2012 para mais de 80 actualmente – que levantou uma série de consequências negativas, desde o impacto ambiental a uma interacção mais frequente e perigosa com os humanos.

Agora, um estudo elaborado por investigadores de universidades colombianas e mexicanas sugere que os hipopótamos devem ser abatidos.O estudo, que foi publicado na revista ‘Biological Conservation’, alerta ainda para a possível transmissão de doenças dos hipopótamos para as pessoas, e para os prejuízos no cultivo de quem vive naquela zona, uma vez que os hipopótamos podem alimentar-se das colheitas.

Leia mais em Jornal de Angola

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter