Trump, a um passo de um segundo impeachment após o ataque ao Congresso dos EUA - Plataforma Media

Trump, a um passo de um segundo impeachment após o ataque ao Congresso dos EUA

Acusado pelos democratas de “incitar a insurreição”, Donald Trump, que nega qualquer responsabilidade na invasão do Capitólio por seus apoiadores, provavelmente enfrentará nesta quarta-feira (13) a aprovação de um segundo processo de impeachment contra ele. 

Uma semana depois do ataque que deixou cinco mortos em Washington, a Câmara de Representantes deve votar por volta das 15h locais(17h de Brasília). 

Com o apoio dos democratas e de alguns republicanos, o impeachment contra Trump deve passar facilmente na Câmara baixa. O 45º presidente pode assim se tornar o primeiro na história do país a ser submetido ao julgamento político duas vezes. 

A oposição acusa o presidente republicano de encorajar seus apoiadores, durante um comício em 6 de janeiro, a interromper a sessão de certificação da vitória eleitoral do democrata Joe Biden.

Na terça-feira, Trump garantiu que não será afastado antes do final do mandato, em 20 de janeiro. 

De Alamo, no Texas, para onde viajou para comemorar a construção do muro na fronteira com o México, ele tentou mostrar uma imagem menos agressiva. 

“Agora é a hora de nossa nação se recuperar e é hora de paz e calma”, disse ele. 

Seu vice-presidente, Mike Pence, se recusou a invocar a 25ª Emenda à Constituição, que permitiria declarar o republicano inapto para o cargo.

Apesar dessa rejeição, a Câmara de Representantes aprovou uma resolução simbólica pedindo que ele invocasse essa emenda. 

Embora esse texto tenha recebido apenas o aval de um republicano, a abertura de um impeachment contra Trump pode ter um apoio maior entre os membros de seu partido.

Cinco deles já manifestaram intenção de votar a favor do “impeachment”, entre eles Liz Cheney, uma das líderes da minoria republicana e filha do ex-vice-presidente Dick Cheney. 

“Esta insurreição causou ferimentos, mortes e destruição no espaço mais sagrado de nossa república”, disse ela sobre a tomada do Congresso. 

Mesmo assim, o resultado do julgamento no Senado é incerto, onde uma maioria de dois terços é necessária para condenar Trump.

– Trump isolado –

Ao sair de Washington na manhã de terça-feira, Trump chamou o julgamento de impeachment promovido pelos democratas de “totalmente ridículo”, dizendo que gerou um “ódio imenso” em todos os Estados Unidos. 

O presidente não assumiu nenhuma responsabilidade pelo incidente violento, garantindo que seu discurso foi “totalmente adequado” e denunciando o “erro catastrófico” das redes sociais que suspenderam suas contas. 

Horas depois, a plataforma YouTube suspendeu o canal de Trump por “pelo menos sete dias” e excluiu um de seus vídeos por violar sua política contra discurso de ódio. 

Apesar do apoio de alguns parlamentares, o presidente está mais isolado do que nunca após uma série de renúncias de seu governo. 

Segundo o New York Times e a CNN, o líder republicano do Senado Mitch McConnell, principal aliado de Trump nos últimos quatro anos, dá as boas-vindas a um “impeachment” porque poderia libertar o partido de Trump, a quem ele culpou pelas duas derrotas no segundo turno da eleição para o Senado há uma semana na Geórgia, após o qual os republicanos perderam a maioria. 

Nenhum republicano na Câmara de Representantes apoiou o impeachment anterior contra Trump em 2019, e apenas um senador do partido, Mitt Romney, votou para condená-lo. O presidente foi então absolvido da acusação de reter ajuda financeira para obrigar a Ucrânia a investigar uma suposta corrupção de seu adversário político Biden.

– Reprovação dos generais –

No âmbito militar, os principais generais dos Estados Unidos condenaram o ataque ao Capitólio em uma mensagem às tropas. 

“A violenta revolta … foi um ataque direto ao Congresso dos Estados Unidos, ao edifício do Capitólio e ao nosso processo constitucional”, de acordo com um memorando assinado pelos oito membros do Estado-Maior Conjunto, liderado por seu chefe, o general Mark Milley. 

“O direito à liberdade de expressão e reunião não dá a ninguém o direito de recorrer à violência, sedição e insurreição”, afirmaram. 

O Pentágono destacou até 15.000 membros da Guarda Nacional para a posse de Biden em 20 de janeiro. 

Inicialmente mobilizados para fornecer apoio logístico à polícia, seus integrantes começaram a portar armas na noite de terça-feira, segundo um fotógrafo da AFP.

Related posts
Política

Dez republicanos votaram para destituir Trump. Só dois resistem

Política

Trump acusa FBI de lhe roubar três passaportes

Política

FBI vasculhou mansão de Trump em busca de documentos sobre armas nucleares

Política

A Quinta Emenda: o direito que Donald Trump usou como uma arma

Assine nossa Newsletter