Cabo Delgado: EUA reitera apoio a Maputo após visita de subsecretário da Defesa - Plataforma Media

Cabo Delgado: EUA reitera apoio a Maputo após visita de subsecretário da Defesa

Os Estados Unidos reiteraram esta terça-feira o seu apoio a Moçambique para “derrotar os terroristas e responder à complexa emergência” no norte do país, palco de ataques rebeldes, durante uma visita do subsecretário da Defesa norte-americano a Maputo.

O subsecretário da Defesa para Política dos Estados Unidos (EUA) visitou Maputo na sexta-feira passada, para falar sobre o apoio norte-americano na luta contra os grupos rebeldes que têm protagonizado ataques no norte de Moçambique, anunciou ontem a embaixada.

Anthony Tata manteve encontros com o ministro da Defesa de Moçambique, Jaime Neto, e o ministro do Interior, Amade Miquidade, nos quais abordaram o apoio do Governo dos EUA a Maputo na “luta contra o terrorismo e o extremismo violento”, refere-se num comunicado da embaixada enviado ontem à comunicação social.

“Os Estados Unidos continuam a mostrar o seu compromisso para com Moçambique nos seus esforços para derrotar os terroristas e responder à complexa emergência no Norte”, disse o embaixador dos EUA em Moçambique, Dennis Hearne, citado no comunicado.

Segundo o documento, no encontro, os oficiais concordaram sobre a importância de identificar necessidades nas áreas de treinamento, equipamento e planeamento estratégico para trazer estabilidade à região.

Em setembro, os Estados Unidos da América anunciaram que iam canalizar 42 milhões de dólares (35 milhões de euros) para assistência humanitária às vítimas do conflito armado e projetos de resiliência na província de Cabo Delgado.

O Presidente moçambicano anunciou que o país vai acolher, entre 17 e 20 deste mês, a cimeira extraordinária da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), cujo objetivo principal é debater a violência armada em Cabo Delgado.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, começou há três anos e está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Presidência Trump deixou democracia dos EUA ao nível do Panamá

CulturaMundo

Seis livros de Dr. Seuss descontinuados nos EUA por serem racistas e insensíveis

ChinaMundo

Direitos humanos: Pequim vai publicar relatório que visa Estados Unidos

MoçambiqueSociedade

Novo relatório da AI descreve violações de direitos humanos em Cabo Delgado

Assine nossa Newsletter