Macau aposta na Grande Baía para potenciar indústrias - Plataforma Media

Macau aposta na Grande Baía para potenciar indústrias

O chefe do Governo de Macau defendeu na visita à província chinesa de Guangdong o reforço da cooperação com cidades da Grande Baía para acelerar o crescimento das indústrias financeira, tecnológica e da saúde.

Ho Iat Seng iniciou na sexta-feira a visita a várias cidades que integram a Grande Baía, o projeto de Pequim de criar uma metrópole mundial que integra Hong Kong, Macau e nove cidades da província de Guangdong, com cerca de 70 milhões de habitantes e um Produto Interno Bruto (PIB) de cerca de 1,2 biliões de euros, semelhante ao PIB da Austrália, da Indonésia e do México, países que integram o G20.

No momento em que, “para além dos trabalhos de prevenção da pandemia ainda se promove proativamente a recuperação do turismo”, Macau necessita “de acelerar o crescimento das indústrias da saúde, do setor financeiro moderno e da tecnologia”, pode ler-se num comunicado das autoridades, no qual se cita o chefe do executivo.

A última paragem, em Huizhou, é exemplo disso mesmo, segundo uma nota divulgada hoje: as duas cidades “podem complementar as suas vantagens e aprofundar a cooperação nesta área transformando, em conjunto, os resultados laboratoriais em produtos para serem lançados no mercado”.

“Macau tem uma elevada capacidade de estudo e investigação, apesar (…) da falta de empresas de produção”, o que podia ser complementado com uma cooperação bilateral que aproveitasse o potencial de fabricação em Huizhou, em áreas como medicina tradicional chinesa, tecnologias de microeletrónica e engenharia aeroespacial, exemplificou o Governo de Macau.

Antes, em Zhongshan, os responsáveis daquela cidade chinesa apontaram os benefícios que poderiam advir com o reforço da cooperação na indústria e no setor biofarmacêutico.

Já em Jiangmen, o chefe do Governo de Macau destacou o potencial na coordenação de esforços no turismo cultural, mas a “finança moderna, empreendedorismo jovem e da construção, nomeadamente de ligações para uma articulação dos transportes ferroviários”, não foram esquecidas pelos líderes locais.

Ho Iat Seng já afirmara em Zhaoqing a vontade de “reforçar a cooperação no que concerne aos produtos agrícolas” e, antes, em Foshan, de potenciarem em conjunto “o desenvolvimento da ciência e tecnologia e a promoção de comércio e atração de investimento”.

Em Dongguan, uma das primeiras etapas da visita que teve início na sexta-feira, Ho Iat Seng destacou “o mercado importante na procura de inovação e tecnologias” e o “forte suporte na área da fabricação e na cadeia de produção” naquela região, “o que permite um espaço ainda maior de cooperação com Macau”.

O chefe do Governo de Macau tinha até hoje visitas agendadas às cidades chinesas de Zhongshan, Jiangmen, Zhaoqing, Foshan, Cantão, Dongguan, Huizhou e Shenzhen com o objetivo de “dar continuidade à boa cooperação, como forma de acelerar a concretização das metas estabelecidas nas Linhas Gerais do Planeamento para o Desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”.

Além de Ho Iat Seng, a delegação de Macau integrou altos cargos do executivo, como o secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, a chefe do gabinete do líder do Governo, Hoi Lai Fong, e a diretora dos Serviços de Turismo, Helena de Senna Fernandes.

Artigos relacionados
EconomiaGrande Baía

Aeroporto de Macau: Em tempos de pandemia reafirmada aposta na Grande Baía

ChinaGrande Baía

Mais de metade dos consumidores de Guangdong leva sobras de comida para casa

ChinaEconomia

Turismo interno recupera em Guangdong

EconomiaMacau

Grande Baía: Grupos criados em Macau nas redes sociais quase “vazios”

Assine nossa Newsletter