A “Silicon Valley” das farmacêuticas onde é produzida a vacina da Pfizer - Plataforma Media

A “Silicon Valley” das farmacêuticas onde é produzida a vacina da Pfizer

Nos solos arenosos à volta da pequena cidade de Puurs produzem-se espargos. São reconhecidos como dos melhores da Bélgica: com tenros rebentos e um caule de fibras suaves. São uma iguaria que há vários anos conta com um festival gastronómico, a abrir a época estival.

Mas, em 2020, o município foi forçado a anunciar o adiamento da festa que tem até uma gala de prémios para distinguir notáveis da região. A razão, como todos podem imaginar, foi a pandemia. A festa do witte goud, – que quer dizer ouro branco, numa referência à cor da variante de espargos mais produzida por ali – ficou, por isso, adiada.

Mas a expectativa é que se possa realizar já em 2021, tal é a importância na cultura local, mas também o impacto económico gerado pelo cultivo industrializado de espargos, desde o século XIX, e que, em 1952, formaram a base do menu servido aos convidados na cerimónia de coroação da rainha Isabel II, de Inglaterra.

Mas o nome da cidade belga é ainda mais conhecido por associação à cerveja Duvel, que sai dali directamente para mais de 40 países, engrossando as exportações de um sector que vale 4000 milhões de euros, equivalentes a cerca de 1% do PIB do país. Porém, ao chegar a Puurs, são as fábricas do sector farmacêutico que mais se destacam, no perfil do horizonte, na zona industrial.

São um motor para a economia da região, gerando empregos para milhares de pessoas. É em Puurs que está instalado o Pharma Valley, com três gigantes do sector e “inúmeras startups” farmacêuticas. No conjunto, geram-se “mais de 5.500 empregos”, conta, ao DN e à TSF, o autarca da cidade, que, em vários roteiros turísticos, é confundida como uma aldeia, dada a sua dimensão.

Koen van den Heuvel é o burgomestre há 24 anos e conhece a cidade como ninguém. A recente fusão alargada de freguesias na Flandres fê-lo autarca de quase 27 mil munícipes. Assistiu ao boom das farmacêuticas que cresceram à volta da fábrica da Pfizer de Puurs, que é uma das maiores unidades de produção de medicamentos em todo o mundo.

A fábrica de Puurs “é especializada na produção de vacinas”; no ano passado, saíram daqui “mais 400 milhões de doses” da Prevenar-13, destinadas à imunização de bebés, crianças e adultos, “nos países em desenvolvimento”, contra uma variante de pneumonia causada pela bactéria Streptococcus.

“Na Primavera” deste ano, já com metade do mundo confinado, “em Maio”, o administrador da Pfizer telefonou a Van den Heuvel para lhe dar uma notícia. “Até ao final do ano, a fábrica de Puurs produziria milhões de doses” da vacina da Covid-19, que já se encontrava em investigação. A decisão vinha de cima, “do quartel-general da Pfizer, em Nova Iorque”.

Com as várias etapas de produção da vacina a decorrer em simultâneo, em Outubro, a unidade de Puurs pôs as máquinas a todo vapor, para multiplicar o material biológico, a partir do qual está a produzir milhões de doses da BNT162b2, a molécula de RNA mensageiro, que contém as instruções genéticas que dão origem aos característicos espinhos do novo coronavírus.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
MundoSociedade

Amplo estudo confirma eficácia de 94% da vacina da Pfizer contra a covid

BrasilSociedade

Brasil aprova uso em massa da vacina da Pfizer

MundoSociedade

Coreia do Norte tentou invadir sistemas da Pfizer

MundoSociedade

OMS faz primeira aprovação de emergência à vacina da Pfizer

Assine nossa Newsletter