Metas de desenvolvimento têm de trabalhar “com e não contra a Natureza” - Plataforma Media

Metas de desenvolvimento têm de trabalhar “com e não contra a Natureza”

A “próxima fronteira” para as metas do progresso humano exigirá trabalhar “com e não contra a Natureza”, transformando ao mesmo tempo normas sociais, valores e incentivos governamentais e financeiros, defendeu hoje a agência de desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD).

Esta é uma das principais conclusões do Relatório de Desenvolvimento Humano 2020 lançado hoje pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e que será apresentado numa sessão de alto nível coorganizada pela Suécia.

Sob o tema “A Próxima Fronteira: Desenvolvimento Humano e o Antropoceno”, o relatório do PNUD, que assinala este ano o seu 30.º aniversário, observa que, pela primeira vez, “numa relação de 300 mil anos” em vez de ser o planeta a moldar os humanos, são os humanos que estão a moldar o planeta.

“Este é o Antropoceno: a era dos humanos”, frisa o relatório, que se propõe nesta edição analisar como a Humanidade pode caminhar nesta nova era e mostrar como as ações humanas e o respetivo impacto no planeta (como por exemplo, as emissões de gases com efeito de estufa e a pegada material dos países) interagem com as desigualdades entre as sociedades.

O economista português Pedro Conceição, que desde janeiro de 2019 é o diretor do Gabinete do Relatório de Desenvolvimento Humano, é o principal autor do documento.

Para o especialista português, a forma como as pessoas estão a vivenciar as pressões em relação ao planeta Terra está ligada à forma como as sociedades funcionam e atualmente, segundo frisa no relatório, “sociedades fraturadas estão a colocar as pessoas e o planeta em rota de colisão”.

A atual pandemia da doença covid-19 é a mais recente grande crise que o mundo enfrenta e, segundo o PNUD, não será a última, “a menos que os humanos libertem o seu domínio sobre a Natureza”.

“Os humanos têm mais poder do que nunca sobre o planeta. Perante as repercussões da covid-19, o nível recorde das temperaturas e a desigualdade em espiral, chegou a hora de usar esse poder para redefinir o que entendemos por progresso, onde as nossas pegadas de carbono e de consumo não estão mais escondidas”, declara, por sua vez, o administrador do PNUD, Achim Steiner, citado no relatório.

Neste sentido, o PNUD apresenta uma escolha difícil e decisiva para os líderes mundiais: “Tomar medidas ousadas para reduzir a imensa pressão que está a ser exercida sobre o ambiente e o mundo natural, ou o progresso da Humanidade irá estagnar”.

“Como este relatório demonstra, nenhum país do mundo alcançou ainda um desenvolvimento humano muito elevado sem colocar uma enorme pressão sobre o planeta. Mas nós poderemos ser a primeira geração a corrigir esse erro. Essa é a próxima fronteira para o desenvolvimento humano”, defende Achim Steiner no documento, que argumenta que chegou o momento de todos os países redesenharem os seus caminhos.

Para ilustrar este ponto, o PNUD decidiu incluir novos parâmetros experimentais no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

“Ao ajustar o IDH, que mede a saúde, a educação e os padrões de vida de uma nação, para incluir mais dois elementos, as emissões de dióxido de carbono de um país e a sua pegada material, o índice mostra como o panorama do desenvolvimento global mudaria se tanto o bem-estar das pessoas como o do planeta fossem centrais para definir o progresso da Humanidade”, destaca o documento.

Por exemplo, e à luz destes novos parâmetros, mais de 50 países deixariam de constar no grupo de nações de alto desenvolvimento humano, na sequência da sua dependência de combustíveis fósseis e da respetiva pegada material.

“A próxima fronteira para o desenvolvimento humano não é a escolha entre pessoas ou árvores; é o reconhecimento, hoje, que o progresso humano impulsionado por um crescimento desigual e intensivo em carbono acabou”, defende Pedro Conceição.

E conclui: “Ao combater a desigualdade, capitalizar a inovação e trabalhar com a natureza, o desenvolvimento humano poderá dar um passo transformador para apoiar as sociedades e o planeta em conjunto”.

O PNUD apresenta-se como a principal organização das Nações Unidas para o combate às injustiças relacionadas com a pobreza, desigualdade e alterações climáticas.

A agência trabalha com uma rede de especialistas e parceiros em 170 países.

Related posts
Sociedade

Biden anunciará 'boas notícias' para as mudanças climáticas na ONU

MundoSociedade

Bombeiros lutam para proteger as enormes sequoias das chamas na Califórnia

MacauPolítica

Plano quinquenal: Especialistas destacam política sobre veículos eléctricos

Sociedade

Sequoias gigantes envoltas em alumínio devido aos incêndios

Assine nossa Newsletter