Das ruas de Luanda pode nascer o próximo Presidente da República

Das ruas de Luanda pode nascer o próximo Presidente da República

Quase todas as histórias de quem vive na rua começam de forma triste, nascidas da violência e da pobreza, mas algumas têm um final feliz. Tal como outras crianças, também estes meninos e meninas têm sonhos e há até quem ambicione tornar-se o próximo Presidente da República de Angola.

Muitas das crianças encontram na rua uma alternativa à pobreza da família. Vêm dos bairros periféricos de Luanda, de construção precária e desordenada, com poucos transportes e escassez de escolas e cuidados de saúde, sem saneamento nem água, onde as famílias sobrevivem com os rendimentos que conseguem gerar no dia a dia com pequenas vendas.

Ao contrário do que se vê na cidade, aqui dispensa-se a máscara, embora todos já tenham ouvido falar da covid-19.

Não se pode tirar muito a quem já nada tem e por aqui entre a fome, a malária e as diarreias, um novo coronavírus é só mais um problema.

Rufina é mãe de quatro filhos, entre os quais Agostinho Cateque ‘Pinóquio’, menino que andou nas ruas e agora está de regresso ao lar materno com ajuda das equipas da organização salesiana Dom Bosco, que acompanham crianças em situação de risco.

A malária, principal causa de morte em Angola, deixou marcas em dois dos seus filhos e na mais velha são visíveis os danos cerebrais.

Rufina não tem grandes explicações para a saída de ‘Pinóquio’ do lar materno. Diz que o jovem, agora com 16 anos, não gostava do comportamento no bairro e era perseguido por outros.

Moram numa estrutura básica de blocos de cimento, que já foi de chapa, praticamente sem móveis.

A mãe vende mangas para fazer algum negócio. Quando o dinheiro chega fazem um “matabicho” com pão, quando não há ficam em jejum até se preparar o funge (prato confecionado com farinha de milho ou de mandioca, típico da gastronomia angolana) da tarde.

No quarto de Agostinho, uma parede com a inscrição ‘Pinóquio’ identifica o seu legítimo proprietário. Tem um colchão no chão, uma secretária e todas as ambições legítimas da  juventude. Entre elas, a de ser Presidente da República.

‘Pinóquio’ conta que foi para a rua aos 10 anos, devido às desavenças com mãe.

“Era muito desobediente, gostava de mexer, tirava dinheiro e ia jogar ‘playstation’ no ‘cyber’”, relata.

No primeiro dia na rua andou sozinho e acabou na baía de Luanda. Mas como era “muito vergonhoso, não gostava de pedir”, recordou, alguém lhe ofereceu comida e juntou-se entretanto ao novo amigo, Adilson.

“Começámos a batalhar juntos”, recorda. Durante o dia, arranjava trocos a arrumar carros e ingressou entretanto num lar de acolhimento onde fez formação profissional e avançou nos estudos.

Recém-regressado à família devido à pandemia, conta que não se adaptou bem, ao início, à vida no lar.

“Eu gostava muito de discutir, alguns traumas, mas com ajuda dos educadores fui melhorando. Comecei a ser bom menino e também a dar conselhos aos outros, mostrei que posso também ensinar os outros e que zangar-se não é boa coisa, que devemos ter calma”, destaca.

Aprendeu eletricidade e informática, mas a covid-19 travou entretanto a conclusão da formação e a atribuição do certificado.

Mas Pinóquio diz que não vais desistir: “Quando era pequeno sempre sonhei ser Presidente da República de Angola e quero continuar a sonhar. Pretendo seguir direito e ser Presidente ou deputado, ser pelo menos alguém da política para melhorar o que está mal”.

E o que mudava? “A corrupção, a desavença, a discriminação. Tem várias famílias que passam necessidades e os presidentes estão sempre a mentir às pessoas, dizem que vão ajudar e não ajudam”, lamenta.

Para Fernando João Mendes, de 22 anos, a rua foi uma alternativa aos maus tratos que sofria em casa.

Vivia no distrito do Rangel, em Luanda, com os pais e cinco irmãos, mas por causa do “distúrbio mental” do pai, “havia muita violência doméstica”, o que o levou a passar mais tempo na rua.

Aos 10 anos já andava pelo mercado dos Congolenses a tentar fazer algum dinheiro. Chegava por volta das 08:00, varria o lixo e ajudava os vendedores a organizar os locais de venda. O dinheiro servia para alimentação e jogar PlayStation.

Foi aí que encontrou alguns amigos que já conheciam a organização salesiana Dom Bosco e lhe falaram das boas condições de vida dos centros. Ingressou na Casa Magone em 2010, aos 12 anos, e os pais, ao início reticentes, acabaram por ficar convencidos das vantagens da formação.

Ali acabou por fazer alguns cursos profissionais: carpintaria, marcenaria, agricultura, informática e eletricidade, área pela qual enveredou e que lhe permitiu empregar-se e ganhar autonomia.

“Foi aqui que tive oportunidade de ter um trabalho”, diz, sorridente.

Fernando vive com o irmão, que trabalha na área da pastelaria, numa casa arrendada nos arredores de Luanda e trabalha numa empresa onde presta serviços de manutenção, eletricidade e climatização, há dois anos e meio.

O pai faleceu entretanto, mas sempre que pode continua a visitar a mãe e os irmãos.

Fernando sonhou ser um grande jogador de futebol, mas agora só quer acabar a formação em contabilidade que iniciou recentemente e ser “um grande contabilista”.

Artigos relacionados
AngolaSociedade

“Luanda precisa de um roteiro turístico”

AngolaSociedade

Primeiras pessoas vacinadas não relatam efeitos colaterais

AngolaSociedade

Aumentam crianças arrastadas para as vigílias no “Morro dos Veados”

Angola

Supermercados Kero podem ter novos donos este ano

Assine nossa Newsletter