Conselho de Telecomunicações e Negócios contra a exclusão da Huawei

Conselho de Telecomunicações e Negócios contra a exclusão da Huawei

A principal associação empresarial de telecomunicações do Brasil e o Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) têm apoiado a participação da Huawei e de outras empresas chinesas nos projetos 5G do país, contrariando a oposição dos Estados Unidos.

Depois de o Governo do presidente Jair Bolsonaro anunciar a adesão à iniciativa ‘Clean Networks’, promovida pelo Governo dos Estados Unidos contra a participação de empresas chinesas como a Huawei nas infraestruturas 5G de outros países, a Conexis, que representa as principais empresas de telecomunicações brasileiras, manifestou-se contra esta iniciativa.

As empresas de telecomunicações, lê-se numa nota à imprensa, estão “preocupadas com as incertezas geradas por essas discussões” de restrição de fornecedores e “ressaltam a necessidade de transparência em todo o processo, respeitando assim o princípio fundamental da livre iniciativa presente em Constituição Federal ”.

“Qualquer restrição (de participação de fornecedores de tecnologia 5G) implicará potenciais desequilíbrios de custos e atrasos, afetando diretamente a população”, diz a Conexis. “A grande maioria das operadoras são empresas de capital aberto e a transparência nas discussões é fundamental para gerar segurança aos investidores e continuar a atrair novos investimentos para o país”, acrescenta.

Na semana passada, o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro e presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, causou um incidente diplomático com a China depois de afirmar, por meio das redes sociais, que a iniciativa ‘Redes Limpas’ evita a espionagem da China.

A embaixada chinesa em Brasília reagiu e pediu que a retórica americana seja abandonada para evitar “consequências negativas”.

“Tais afirmações infundadas não são dignas do cargo de presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. (…) Isso é totalmente inaceitável para o lado chinês e expressamos forte insatisfação e repúdio veemente a esse comportamento ”, disse a representação diplomática.

O evento CEBC, que junta empresas brasileiras e chinesas, serviu para lançar um estudo sobre as relações Brasil-China, que aponta para o “aumento das incertezas quanto ao futuro”, devido às tensões entre Pequim e Washington, inclusive em relação ao leilão 5G, programado para o primeiro semestre de 2021, “que será um marco importante para a posição brasileira em relação ao binómio economia-segurança e à rivalidade estratégica China-EUA”.

Segundo o CEBC, mesmo as relações comerciais com outras empresas chinesas, como a Alibaba, a Tencent, a Didi e a DJI podem ser “dificultadas se forem estabelecidas restrições à participação chinesa na área de infraestruturas de telecomunicações”. 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
ChinaFuturo

Poderão as tecnologias inteligentes ser um novo farol em Macau?

MundoTransportes

Companhias aéreas alertam para potencial 'caos' se 5G não for limitada

BrasilEconomia

Ministro do Brasil diz que demora de leilão 5G causará prejuízo de 16,2 ME por dia

EconomiaPortugal

Já lá vão seis meses desde o início do leilão mas ainda sem sinal do 5G

Assine nossa Newsletter