Metade dos portugueses em idade fértil não tem filhos - Plataforma Media

Metade dos portugueses em idade fértil não tem filhos

Cerca de metade dos portugueses em idade fértil, ou seja, entre os 18 e os 49 anos, não tinha filhos no ano passado, segundo um estudo do INE. E não pretendia ter filhos nos próximos três anos.

Um inquérito à fecundidade, efetuado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e divulgado esta quinta-feira, confirma a tendência de redução do número de filhos em Portugal.

“Em 2019, 42,2% das mulheres dos 18 aos 49 anos e 53,9% dos homens dos 18 aos 49 anos não tinham filhos”, conclui o INE, especificando que o número médio de filhos passou de 1,03 em 2013 para 0,86 no ano passado. Uma situação que abrangeu todas as regiões do país, embora tenha sido mais acentuada na Área Metropolitana de Lisboa.

Acresce que a maioria dos portugueses também não tencionava ter filhos, nem no ano passado, nem nos próximos três anos. “Questionados sobre a intenção de ter filhos, 55,1% das mulheres e 47,3% dos homens indicaram não pretender ter ou ter mais filhos“, revelou o INE. Essa decisão era mais acentuada na camada mais jovem da sociedade, com 93,4% das mulheres e 97,6% dos homens, entre os 18 e os 29 anos, a não pretenderem ter filhos. Os motivos não se prendiam com questões financeiras. Mas com “vontade própria” ou “o facto de a maternidade ou paternidade não fazerem parte do seu projeto de vida”.

As questões financeiras já são a justificação para o facto de os portugueses continuarem a ter filhos cada vez mais tarde. Em concreto, os inquiridos explicaram o adiamento do primeiro filho, que nasceu cinco anos após o desejado, por “motivos relacionados com a estabilidade financeira, emprego e condições de habitação”.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
MundoSociedade

Polícia invade "fábrica de bebés" na Nigéria e resgata dez raparigas

MundoSociedade

OMS defende escolas abertas. "Devemos assegurar o ensino aos nossos filhos"

PolíticaPortugal

Portugal concede nacionalidade a 121 mil estrangeiros. Brasileiros lideram pedidos

São Tomé e PríncipeSociedade

Maioria das grávidas e mulheres a amamentar em São Tomé e Príncipe consomem álcool

Assine nossa Newsletter