EUA aprovam legislação que pode excluir firmas chinesas do seu mercado de capitais - Plataforma Media

EUA aprovam legislação que pode excluir firmas chinesas do seu mercado de capitais

O Congresso norte-americano aprovou hoje legislação que força as empresas chinesas a saírem dos índices bolsistas norte-americanos a menos que cumpram as regras de contabilidade nos Estados Unidos.

A legislação, que pode afetar dezenas de corporações chinesas, já tinha sido aprovada pelo senado, em maio, e deve ser agora assinada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Trump beneficia de um consenso bipartidário na adoção de uma política mais dura em relação à China.

A Lei de Responsabilidade de Empresas Estrangeiras determina que uma firma seja impedida de cotar-se numa bolsa de valores dos Estados Unidos, se não cumprir as auditorias do conselho de contabilidade norte-americano durante, pelo menos, três anos consecutivos.

As auditorias têm de ser feitas pelo Conselho de Supervisão de Contabilidade de Empresas Públicas (PCAOB), o órgão sem fins lucrativos que supervisiona as empresas que querem entrar na bolsa norte-americana.

O acesso às contas auditadas pelos reguladores norte-americanos é atualmente proibido pelo Governo chinês, que cita preocupações com a segurança nacional.

A legislação também força as empresas listadas nas bolsas dos Estados Unidos a provarem que não são controladas por um Governo estrangeiro.

Em agosto, o Tesouro e a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos emitiram recomendações para banir as empresas chinesas das bolsas norte-americanas, a menos que cumpram com os padrões de contabilidade dos Estados Unidos.

“Estou satisfeito que o Congresso tenha agido com forte apoio bipartidário para nivelar o campo para todos os emissores [de títulos] nos nossos mercados”, disse o presidente da SEC, Jay Clayton, após a aprovação do projeto de lei.

“A votação de hoje, em combinação com o trabalho contínuo da comissão, ajudará a resolver estas questões de longa data para benefício dos investidores”, apontou.

A American Securities Association também enalteceu a legislação.

“Durante muito tempo, o Partido Comunista Chinês explorou investidores norte-americanos, para financiar o seu exército cibernético, a eliminação de liberdades civis impulsionada pela tecnologia, abusos de direitos humanos e destruição do meio ambiente”, disse Chris Iacovella, o principal executivo daquele organismo.

A nova legislação é parte de um impulso mais amplo dos EUA para adotar uma postura mais assertiva em relação a Pequim.

Os dois países travam já uma prolongada guerra comercial e tecnológica e disputas diplomáticas em tornos do estatuto de Hong Kong ou a soberania do mar do Sul da China.

No mês passado, Trump assinou uma ordem executiva que proíbe os investidores norte-americanos de deterem ações em empresas que se acredita terem ligações às forças armadas da China.

A China acusou os EUA de politizarem a regulamentação de títulos, o que pode obrigar as empresas chinesas a listarem-se fora dos EUA e, em última instância, enfraquecer a confiança nos mercados de capitais norte-americanos.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MundoPolítica

Biden liga a Trudeau na primeira conversa telefónica com um líder estrangeiro

MundoPolítica

Casa Branca retoma atualizações da pandemia com Anthony Fauci

MundoPolítica

União Europeia saúda regresso dos EUA ao Acordo de Paris

MundoPolítica

As frases que marcaram a posse de Biden

Assine nossa Newsletter