Segurança Nacional: “Não há margem para negociação”, Wong Sio Chak - Plataforma Media

Segurança Nacional: “Não há margem para negociação”, Wong Sio Chak

O secretário para a Segurança afirmou que zelar pela segurança nacional “é uma obrigação de todos os cidadãos chineses” e revelou estar ao corrente de casos em que movimentos políticos anti-governo de Hong Kong e Taiwan vieram a Macau.

Em resposta a Au Kam San, Wong Sio Chak afirmou tratar-se de uma “imposição do Governo Central” que não pode ser negociada. A criação de um comissariado dedicado à matéria é uma possibilidade

Osecretário para a Segurança, Wong Sio Chak, afirmou ontem não haver “margem para negociação” relativamente ao tema da segurança nacional, por se tratar de uma imposição do Governo Central.

A tomada de posição surgiu em resposta à intervenção de vários deputados que pediram a palavra para abordar o tema da segurança nacional durante o debate das Linhas de Acção Governativa (LAG) para a área da Segurança.

“Este é um assunto que não admite negociação. É um assunto nacional, que em termos de regulamentação tem de ser tratado por imposição do Governo Central. Como temos esse dever constitucional e de cidadania, não há margem para negociação”, afirmou o secretário para a Segurança, após Au Kam San ter acusado Wong Sio Chak de não “actuar com proporcionalidade” sobre a utilização da Lei Básica e da lei de segurança interna para definir quem são as “personas non gratas” que estão impedidas de entrar em Macau.

Leia mais em Hoje Macau

Este artigo está disponível em: English

Related posts
ChinaHong Kong

Sem remorsos, Carrie Lam recupera confiança para liderar Hong Kong

MacauPolítica

Governar sob o signo da pandemia

ChinaMacau

Macau vai criar unidade dedicada a executar lei de segurança do Estado chinês

MacauSociedade

Situação política em Hong Kong leva à procura de cursos de português para emigrar

Assine nossa Newsletter