Detenção de Carlos Ghosn no Japão considerada 'arbitrária' por especialistas da ONU - Plataforma Media

Detenção de Carlos Ghosn no Japão considerada ‘arbitrária’ por especialistas da ONU

A “privação de liberdade” do ex-magnata dos automóveis Carlos Ghosn no Japão foi “arbitrária”, garante o Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenção Arbitrária, que exige que o ex-chefe da Renault e da Nissan seja indenizado.

Esses especialistas independentes, que se reportam ao Conselho de Direitos Humanos, não falam em nome das Nações Unidas.

O governo japonês considerou esta opinião “totalmente inaceitável” e enfatizou que “não é juridicamente vinculativa”.

Em sua opinião publicada em 20 de novembro, mas divulgada para a mídia apenas nesta segunda-feira, os especialistas concluem que “o processo de prisão e detenção do Sr. Ghosn em quatro ocasiões foi fundamentalmente injusto, porque o impediu de recuperar sua liberdade e beneficiar de outros direitos a um julgamento justo, em particular o direito de se comunicar livremente com um advogado”.

E acrescentam: as “violações do direito a um julgamento justo foram de tal gravidade que conferiram à detenção do Sr. Ghosn um caráter arbitrário”.

Além disso, sublinham, “o Sr. Ghosn foi detido em condições que provavelmente o obrigariam a fazer declarações que o implicassem, o que viola o seu direito à presunção de inocência”.

Os especialistas da ONU enfatizam que sua opinião não está relacionada às acusações contra Ghosn no Japão, mas às condições sob as quais os processos foram conduzidos.

A este respeito, o Grupo de Trabalho da ONU é de opinião que “a privação de liberdade de Carlos Ghosn de 19 de novembro de 2018 a 5 de março de 2019 e de 4 a 25 de abril de 2019, em violação dos artigos 9, 10 e 11 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos Artigos 9, 10 e 14 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, foi arbitrária”.

– “Investigação independente” –

Observa, em particular, que as condições de fiança impostas a Ghosn “parecem ter sido excepcionalmente estritas, em particular a proibição, durante o segundo período de fiança, de qualquer contato com sua esposa, exceto por meio de seus advogados, sem prévia autorização do tribunal e por prazo indeterminado”.

“Dadas todas as circunstâncias do caso, o remédio apropriado seria conceder ao sr. Ghosn o direito exequível à compensação e outras reparações, de acordo com o direito internacional”, afirma.

Para os advogados de Ghosn, François Zimeray e Jessica Finelle, esta opinião “é uma decisão corajosa que constitui um ponto de inflexão decisivo”, e que “estabelece irrefutavelmente o que denunciamos sobre a prisão do sr. Ghosn: detenção arbitrária, negação de seu direito a uma justiça imparcial, um tratamento indigno e degradante”.

O Grupo de Trabalho insta o governo japonês a garantir “uma investigação completa e independente das circunstâncias que cercam a detenção arbitrária do sr. Ghosn e a tomar as medidas cabíveis contra os responsáveis pela violação de seus direitos”.

Os especialistas, que trabalharam em elementos fornecidos por uma “fonte” não identificada, pedem a esta e ao governo japonês que lhes informem sobre as medidas tomadas, em particular no que se refere à indenização, em um período de seis meses.

O ex-chefe da fabricante de automóveis Renault-Nissan-Mitsubishi Motors foi preso em 19 de novembro de 2018 quando desembarcou em Tóquio, sob a suspeita de não ter declarado grande parte de sua renda às autoridades do mercado de ações entre 2010 e 2015.

Em 5 de março de 2019, um juiz japonês aceitou sua libertação sob fiança, com proibição de deixar o Japão, mas algumas semanas depois, em 4 de abril, ele foi preso novamente, acusado de usar 5 milhões de dólares para benefício pessoal antes de ser libertado sob fiança em 25 de abril. 

Carlos Ghosn, que nega as acusações, chegou a Beirute no dia 30 de dezembro após fuga do Japão, que ele teria deixado escondido em uma caixa de equipamento de música.

Related posts
Política

Japão promete 8,6 mil milhões de euros para as emissões zero na Ásia

ChinaMundo

Japão deteta navios de guerra russos e chineses no norte do arquipélago

MundoSociedade

Mais de 30 feridos em sismo no Japão

MundoSociedade

"Viúva negra" japonesa condenada a pena de morte

Assine nossa Newsletter