Morto por seguranças que colocaram o "joelho no pescoço"

Morto por seguranças que colocaram o joelho no pescoço: “Foi igual ao americano” George Floyd

Vizinho da vítima, Paulão Paquetá contou à reportagem ter testemunhado o espancamento e morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, em um supermercado Carrefour de Porto Alegre na noite desta quinta-feira, 19. “Estava chegando no local na hora das agressões. Eu estava a uns 10 metros quando começou. Tentamos intervir, mas não conseguimos”, relata.

Paulão diz que a esposa da vítima, um homem negro, também viu o espancamento, mas foi impedida de intervir. “Ela viu o marido sendo morto”, lamenta.

Segundo ele, cerca de outros oito seguranças ficaram no entorno da área, impedindo a aproximação das pessoas que tentavam parar com as agressões. “Não pararam. A gente gritava ‘tão matando o cara’, mas continuaram até ele parar de respirar, fizeram a imobilização com o joelho no pescoço do Beto, tipo como foi com o americano (George Floyd, morto por policiais neste ano nos Estados Unidos).”

https://twitter.com/K13PT/status/1329787100867268617

Leia mais em Istoé

Artigos relacionados
BrasilLifestyle

Em aula online sobre racismo na USP, tenente-coronel da PM é chamado de 'macaco'

LifestyleSociedade

"Black Lives Matter" indicado para nomeação de Nobel da Paz

PortugalSociedade

Investigação da PJ provou ódio racial no homicídio de Bruno Candé

Cabo VerdeLifestyle

Primeira bailarina negra na Staatsballet Berlim luta contra o racismo no 'ballet'

Assine nossa Newsletter