Um mundo que não espera por Joe Biden - Plataforma Media

Um mundo que não espera por Joe Biden

Nuno carvalho

A crise sanitária gerada pela COVI-19 é mais um fator de pressão sobre o mundo, mas seguramente não é o único. O desequilíbrio entre os principais blocos mundiais económicos, militares e tecnológicos pode desfavorecer o papel dos EUA no mundo. Ou eventualmente adequar o papel dos EUA caso o presidente eleito, Joe Biden, não queira um papel relevante para o seu país.

Mas é com toda a certeza que Joe Biden terá que lidar com um mundo em mudança.

Primeiro a mudança que é provocada pelas ambições da China, gerando tensões especialmente com efeitos económicos e tecnológicos. E num contexto que a China põe em ação o seu “Plano Marshal” alavancando um forte investimento em vários zonas do globo, gerando maior proximidade com vários países, mas também transferindo uma eventual dependência económica para o “bloco chinês”.

O mundo não esperará por Joe Biden, com tantos problemas internos no EUA veremos quando é que ele irá olhar para o mundo e como o encontrará se demorar muito tempo a fazê-lo

A evolução tecnológica é outra mudança no mundo traz consigo a necessidade de novas matérias primas. Os vastos recursos de terras-raras em território chinês acentuarão uma posição cada vez mais dominante da China. Por esse motivo as “contendas” sobre o 5G não são o único vértice que dão acesso à “pole position” da corrida tecnológica.

Por outro lado, os EUA têm um dos principais ativos do mundo: o USD, o “dólar americano”. Contudo, apesar de cerca de 25,5 mil milhões de dívida em USD dos países mais pobres, não se sabe o que os EUA farão, ou se conseguirão fazer alguma coisa para manter a predominância do dólar. O USD pode subir e “arrasar” ainda mais as economias mais pobres, ou descer e aliviar a fatura. Contudo Joe Biden só terá margem para “olhar” para este problema se conseguir resolver a “gigantesca” dívida interna nos EUA fruto do choque pandémico.

Os conflitos militares ativos e emergentes existirão apesar dos EUA. Mas todos os conflitos militares que terminarem sem se sentir a presença (ainda que seja só diplomática) do “polícia do mundo” alterarão o papel dos EUA e muito provavelmente a forma como as relações internacionais funcionam.

A administração de Donald Trump era muitas vezes acusada de provocar conflitos. Contudo um mundo em mudança gera tensões e consequentemente pode gerar conflitos, ainda que não sejam militares podem ser culturais, económicos e tecnológicos. Mudar de presidente nos EUA não significa mudar o mundo, os problemas com que Donald Trump teve que lidar, serão os mesmos que estão à espera de Joe Biden.

A grande expectativa é a forma como Joe Biden irá olhar e relacionar-se com o mundo. Mas é inegável que os EUA já não assumem o mesmo papel, eventualmente por vontade própria, mas também pelas alterações globais que assistimos.

O mundo não esperará por Joe Biden, com tantos problemas internos no EUA veremos quando é que ele irá olhar para o mundo e como o encontrará se demorar muito tempo a fazê-lo.

*Coordenador GPPSD na Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, deputado do Partido Social-Democrata (PSD) – Portugal

Related posts
Eleitos

Pedir desculpa não evita explicações

Eleitos

Dia da Europa

Eleitos

Falta pôr um cravo de Abril na “bazuca”

Eleitos

Os futuros passos da cooperação portuguesa

Assine nossa Newsletter