Polícia de Hong Kong cria linha direta para residentes denunciarem-se uns aos outros - Plataforma Media

Polícia de Hong Kong cria linha direta para residentes denunciarem-se uns aos outros

Mais de mil denúncias foram efetuadas no primeiro dia de operação

A polícia de Hong Kong lançou uma linha direta para os residentes do território denunciarem anonimamente qualquer pessoa que achem ter violado a nova lei de segurança nacional.

Os críticos dizem que a medida tem ecos perturbadores de métodos de vigilância usados ​​na China continental e vai aprofundar as divisões na cidade, podendo até ser explorada por indivíduos que tentam acertar contas pessoais, comerciais ou políticas, por vingança.

O sistema permite que as pessoas enviem denúncias por vídeo, arquivos de áudio e fotos, sem com isso compartilhar dados pessoais. Mais de mil denúncias foram efetuadas no primeiro dia de operação, relatou o jornal South China Morning Post (SCMP).

O sistema “reproduz o modelo do Partido Comunista Chinês de contar com informantes de base”, apontou Maya Wang, investigadora da Human Rights Watch, no Twitter.

As autoridades de Hong Kong disseram que a lei apresentada por Pequim em junho afetaria apenas uma “pequena minoria que colocaria em risco a segurança nacional”, mas já foi usada para atingir políticos, ativistas e académicos pró-democracia, bem como para restringir protestos.

O deputado do Partido Democrata, James To, disse que a linha pode destruir uma cidade já dividida e é desnecessária quando a unidade de segurança nacional existente já tem poderes “brutais”. “Será um duro golpe para a liberdade em Hong Kong e minará a confiança entre as pessoas”, afirmou à emissora local RTHK.

Também atisvista estudantil Joshua Wong teceu comentários sobre a nova medida referindo que a linha “carrega ecos perturbadores de um dos períodos mais turbulentos da China continental, a Revolução Cultural das décadas de 1960 e 1970”. “Então, vizinhos, colegas e até famílias foram encorajados a denunciar-se uns aos outros, com consequências devastadoras e às vezes mortais”, concluiu.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
ChinaSociedade

Mais 48 esquadras chinesas clandestinas detetadas, somando 102 em 53 paises

PortugalSociedade

Polícias portugueses proibidos de disparar com balas reais contra multidões

BrasilSociedade

Detido no Brasil com sete quilos de cocaína quando embarcava para Paris, com escala em Lisboa

Sociedade

Vídeo de homem negro morto a tiros pela polícia gera protestos nos EUA

Assine nossa Newsletter