Pandemia fez desaparecer 83 mil empregos até agora - Plataforma Media

Pandemia fez desaparecer 83 mil empregos até agora

Maioria dos empresários ouvidos pelo INE, em outubro, ainda estavam pouco pessimistas quanto à criação de emprego até final do ano. Grande exceção é o setor dos serviços, onde estão hotéis e restaurantes. Aí o ambiente é muito sombrio, outra vez.

Entre fevereiro e setembro, a economia portuguesa perdeu 83,3 mil empregos, mas os trabalhadores mais jovens, com menos de 25 anos, pagaram a maior fatura da crise pandémica: valem metade do emprego destruído neste período (cerca de 41,6 mil postos de trabalho a menos), indicam cálculos do DN/Dinheiro Vivo com base nos dados divulgados quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os números relativos a setembro ainda são provisórios, mas vários indicadores já disponíveis mostram que a travagem da economia está a ser maior do que se esperava, o que significa que o número final de setembro pode ser maior e que o resto que falta deste ano também possa ser mais negativos nos indicadores do mercado de trabalho.

Num outro estudo, também divulgado na quinta-feira pelo INE, o inquérito de conjuntura às empresas e aos consumidores relativo a outubro, que foi conduzido “entre 1 e 23 de outubro no caso dos inquéritos às empresas”, a maioria dos empresários ouvidos até estavam a ficar menos pessimistas quanto à possibilidade de contratação e de criação de emprego nos próximos três meses.

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
BrasilEconomia

Ford vai fechar todas as fábricas no Brasil e encerrar produção no país

BrasilEconomia

Retomada de empregos com carteira assinada prioriza contratação de homens

AngolaEconomia

Governo angolano vai criar e financiar cinco mil estágios para jovens

EconomiaPolítica

Portugal tem de "criar cerca de 25 mil empregos qualificados até 2030 no setor privado"

Assine nossa Newsletter