230 mil toneladas de plástico são atiradas por ano ao mar Mediterrâneo

Quase 230 mil toneladas de plástico são atiradas por ano ao mar Mediterrâneo

O mar Mediterrâneo recebe, a cada ano, quase 230.000 toneladas de lixo plástico, um número que pode duplicar até 2040 na falta de medidas “ambiciosas” – advertiu a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) nesta terça-feira (27).

Egipto, com 74.000 toneladas ao ano, Itália (34.000 toneladas/ano) e Turquia (24.000 toneladas/ano) são os países que mais plástico vertem no mar Mediterrâneo, segundo um novo relatório da instituição internacional.

Em termos per capita, a lista é liderada por Montenegro (8 quilos por pessoa ao ano), Bósnia-Herzegovina e Macedônia do Norte (ambos com 3 quilos/pessoa/ano).

“Um estimado de 229.000 toneladas de plástico, o equivalente a mais de 500 contêineres, é lançado todo o ano no Mediterrâneo”, afirmou a UICN em um comunicado à imprensa, acrescentando que identifica a má gestão dos resíduos como a causa de 94% dos dejetos.

Caso se mantenha a situação atual, “a descarga anual chegará a 500 mil toneladas por ano até 2040”, então são necessárias “ações ambiciosas para além dos compromissos atuais” dos países para limitar o fluxo de plásticos, frisou a organização, autora da “lista vermelha” de referência sobre espécies ameaçadas no mundo. 

“A poluição por plástico pode causar danos de longa duração nos ecossistemas marinhos e terrestres e à biodiversidade. Os animais marinhos podem ficar presos em redes, ou engolir resíduos de plástico, e morrer de fome, ou exaustão”, disse Minna Epps, do programa IUCN Seas. 

O relatório aponta que, com uma melhor gestão de resíduos nas 100 cidades que mais contribuem para a poluição, o despejo de plástico no Mediterrâneo poderia ser reduzido em mais de 50.000 toneladas por ano.

Outra medida eficaz é a proibição de certos produtos, como sacolas plásticas, cuja supressão poderia contribuir com mais 50 mil toneladas por ano a menos desse tipo de resíduo na água.

“Os governos, o setor privado, os centros de pesquisa, a indústrias e os consumidores devem trabalhar juntos para redesenhar processos e a cadeia de suprimentos, investir em inovação e adaptar padrões de consumo sustentáveis e melhores práticas de gestão de resíduos para reduzir o fluxo de resíduos plásticos”, resumiu Antonio Troya, diretor do Centro de Cooperação para o Mediterrâneo da IUCN, com sede em Málaga, sul da Espanha.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
Macau

Governo de Macau sem novos planos para reduzir plástico

Brasil

Dependência do plástico preocupa especialistas brasileiros

MacauPolítica

Deputada Ella Lei declara “guerra” às garrafas de plástico

China

Proibidos produtos descartáveis em plástico não-biodegradável

Assine nossa Newsletter