Americanos atingidos pela pandemia criam startups em ritmo recorde - Plataforma Media

Americanos atingidos pela pandemia criam startups em ritmo recorde

Os americanos estão no meio de uma economia débil e um desemprego elevado por causa da pandemia coronavírus, no entanto, estão a criar startups a um ritmo recorde. 

O impulso é favorecido por taxas de juro muito baixas, bancos que estão ansiosos para emprestar e pessoas com poupanças – até porque se acabaram os gastos com saídas e por causa dos apoios do governo.

“Não é tão surpreendente como se pode pensar”, disse John Dearie, do Center for American Entrepreneurship. “As pessoas estão a começar novos negócios porque perderam os seus empregos. E porque têm capital para iniciar esses negócios.”

Cerca de 1,6 milhões de empresas foram criadas de julho a setembro, de longe um recorde, de acordo com o Census Bureau. Nunca antes mais de um milhão de startups surgiram na América no período de um trimestre.

“A pandemia tem definitivamente estimulado o interesse entre jovens e adultos para lançar novos negócios. A razão, acreditamos, é muito simples. As pessoas estão a perder empregos”, disse J.D. LaRock, responsável pela Network for Teaching Entrepreneurship, que está ativa em 12 países.

“E as pessoas estão a reconhecer que o mundo está a mudar e que há novas necessidades”, disse.

Por isso, as pessoas estão a propor conceitos de negócio que decorrem da pandemia, ou finalmente a agir em ideias de negócio que tiveram há muito tempo, mas nunca tiveram a oportunidade ou incentivo para concretizar, disse LaRock.

É o caso de Leland Lambert, 38 anos, que em junho foi despedido como diretor de operações de uma creche sem fins lucrativos e vive em Salt Lake City, Utah.

Sem perspetivas de curto prazo para um novo emprego, criou uma empresa de coaching pessoal que tinha começado a planear há alguns anos.

“Sempre sonhei em ajudar as pessoas a tornarem-se as melhores”, disse Lambert à AFP.

Lambert voltou à escola durante seis meses para polir as suas habilidades, e não descarta arranjar um emprego a tempo parcial se o seu negócio não se levantar e funcionar rapidamente.

  • As entregas parecem promissoras –

Desde o início da pandemia, 22 milhões de americanos perderam os seus empregos, uma vez que a economia fechou em grande parte durante meses.

Metade deles continuam desempregados e 8,4 milhões recebem subsídio de desemprego. E depois há aqueles que estão a trabalhar, mas viram os seus rendimentos baixar drasticamente.

Enquanto alguns sectores como a hotelaria e o turismo ainda sofrem, para algumas pessoas a única forma de ganhar a vida hoje em dia é começar o seu próprio negócio.

É difícil saber quais os sectores que estão a assistir a esta criação de emprego, porque os números oficiais não estão segmentados.

Mas Dearie disse que muitos estão a ser criados em relação à pandemia, como a entrega de alimentos através de serviços como a Uber, que exige que os seus motoristas criem as suas próprias empresas.

A entrega de bens comprados online — através de empresas como a Amazon, por exemplo, que também exige que os condutores iniciem as suas próprias empresas — também tem um futuro brilhante, disse John Haltiwanger, que leciona economia na Universidade de Maryland.

“Acho que o que se está a passar em parte é que a Covid-19 está a acelerar as tendências que já estavam em curso na economia”, disse, tal como as vendas a retalho online, uma vez que as pessoas estão presas em casa.

“Parte desta transição será mais permanente e as empresas que podem ajudar a facilitar isso, penso que vão fazer bem”, afirmou.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Associação da hotelaria e restauração quer testes Covid-19 gratuitos para o setor

ChinaEconomia

Fortuna dos bilionários chineses da Internet com crescimento recorde em 2020

BrasilEconomia

Brasil e EUA concluem acordos para facilitar investimentos

Assine nossa Newsletter