Bolsonaro sabia da compra de vacinas, mas recuou após pressão de apoiantes nas redes sociais - Plataforma Media

Bolsonaro sabia da compra de vacinas, mas recuou após pressão de apoiantes nas redes sociais

O presidente Jair Bolsonaro foi informado no último final de semana da intenção da compra, pelo Ministério da Saúde, de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, em desenvolvimento pela empresa chinesa Sinovac com o Instituto Butantan.

Segundo assessores tanto do Palácio do Planalto como do Ministério da Saúde, Bolsonaro, inicialmente, não se opôs à iniciativa, mas mudou de posição no final da tarde da terça-feira (20), após repercussão negativa de seus apoiadores nas redes sociais.

Desde o anúncio feito pelo ministro Eduardo Pazuello, em reunião virtual com governadores, eleitores bolsonaristas iniciaram campanha nas redes contra o que chamam de “vacina chinesa”.

As críticas chegaram ao perfil oficial do presidente, que decidiu adotar um recuo estratégico. Na própria terça-feira (20), segundo relato feito à Folha, ele telefonou a Pazuello para informar que se posicionaria contra o anúncio.

Nesta quarta (21), Bolsonaro e Pazuello se falaram por telefone para ajustar a mudança de discurso e combinar a divulgação de uma nota pública, na qual alegaram que houve “interpretação equivocada”.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Morre voluntário brasileiro que participava dos testes da vacina de Oxford

BrasilPolítica

Ministro da Saúde do Brasil está infetado com coronavírus

BrasilMundo

EUA convidam Brasil para integrar o programa espacial Artemis

BrasilChina

Bolsonaro desmente ministro da Saúde e diz que Brasil não vai comprar vacina da China

Assine nossa Newsletter