Aumentaram queixas de crimes de violência sexual e abusos de menores em Timor-Leste - Plataforma Media

Aumentaram queixas de crimes de violência sexual e abusos de menores em Timor-Leste

Os crimes de violência sexual e abuso de menores reportados à polícia em Timor-Leste aumentaram significativamente em 2019, com os condenados por estes crimes a representarem já 28,6% da população prisional do país.

Dados da criminalidade, divulgados pela Direção Geral de Estatísticas mostram que o número de casos de abusos sexuais de menores quintuplicou para 80 e o número de casos de violação mais que triplicou para 55.

As três prisões do país (Díli, Gleno e Suai), onde estavam no final de 2019 um total de 832 reclusos, têm atualmente quase 240 condenados por crimes sexuais, incluindo violação, violação agravada e abuso de menores.

As estatísticas hoje divulgadas mostram que globalmente, os casos criminais em Timor-Leste atingiram em 2019 o seu nível mais elevado de sempre, com mais de 5250 casos reportados à Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) durante o ano, com quase 43% no município da capital, Díli.

Depois de Díli, com 2.252 casos, a região fronteiriça de Bobonaro foi a que registou o maior número de crimes (463), seguindo-se o enclave de Oecusse-Ambeno (402) e a segunda cidade do país, Baucau (400).

A taxa de criminalidade no ano passado fixou-se em 444 por 100 mil habitantes, um valor que duplicou desde 2015.

A maior fatia de crimes correspondeu a ofensas à integridade física (2093 casos), seguindo-se maus tratos a cônjuge (372), ameaças (332) e danos simples (283).

A PNTL registou no ano passado um total de 3.210 suspeitos, sendo que a maioria (1.255) tinha entre os 20 e os 29 anos e 828 entre os 30 e os 39 anos.

Houve 16 suspeitos com menos de nove anos e 96 com mais de 60.

No que toca ao número de casos enviados para o Ministério Público, registou-se uma queda de cerca de 170 – para 4.736 casos – entre 2018 e 2019.

Os dados mostram que houve 1.575 casos de ofensa à integridade, mais de 827 crimes de violência doméstica, 198 crimes sexuais e 138 homicídios.

As estatísticas mostram que no final do ano estavam na cadeia de Becora, em Díli – a maior do país – um total de 630 reclusos, dos quais a maior fatia (146) a cumprir penas por homicídio, seguindo-se 91 por crimes de abusos sexuais de menores e 83 por violação sexual.

Pessoas entre os 20 e os 29 representaram a maior fatia das vítimas (726 de 2.602), com 62 vítimas com menos de 9 anos e 185 com mais de 60 anos.

Os dados mostram que no final de 2019 os quatro tribunais distritais do país – Díli, Baucau, Suai e Oecusse – tinham pendentes um total de 3.507 casos criminais e 1.554 casos cíveis.

No caso de Díli, o número de processos criminais pendentes baixou face ao final de 2018 – de 2364 para 1960 –, tendo aumentado o de processos cível pendentes, de 820 para 967.

Em Baucau caiu tanto o número de processos criminais como os cíveis, ocorrendo o inverso em Suai e em Oecusse, onde aumentaram em ambos os casos.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MacauSociedade

Vacinas mNRA para crianças chegam em Maio

PortugalSociedade

DGS cria ‘task force’ para acompanhar surto mundial de hepatite aguda

Sociedade

"Causa desta hepatite permanece desconhecida"

BrasilSociedade

Brasileiro mais jovem num grupo seleto de pessoas de alto QI

Assine nossa Newsletter