Costa com "dificuldades em compreender" posição do Bloco de Esquerda - Plataforma Media

Costa com “dificuldades em compreender” posição do Bloco de Esquerda

António Costa admitiu, esta segunda-feira à noite, que tem “dificuldades em compreender como à Esquerda haverá uma oposição” ao Orçamento do Estado. Mais: o primeiro-ministro disse mesmo que é “difícil perceber” a postura do Bloco de Esquerda e pede “bom senso” aos antigos parceiros da geringonça.

Em entrevista na TVI, na noite desta segunda-feira, o primeiro-ministro disse que o Governo tem “vindo a conversar com o PEV, PAN, PCP e BE desde julho para preparar este orçamento”. “Temos feito um caminho de aproximação. Esta proposta não tem nenhum retrocesso em relação a 2015 e tem uma rotura com a componente austeritária”, disse, frisando que, daí, ter “dificuldades” em perceber posições como a do bloquista Catarina Martins.

Para António Costa, existe uma “dificuldade em compreender como à Esquerda haverá uma oposição global a este orçamento”. Aliás, “o país não compreenderia” um chumbo. “Teria dificuldades em compreender o porquê”, disse, apelando ao “bom senso” dos antigos parceiros da gerigonça, de quem diz que “foram criando exigências” que acabaram respondidas em parte.

Costa disse que, em relação à exigência do BE sobre o não financiamento pelo Estado do Novo Banco através do Fundo de Resolução, houve “um esforço para assumir a posição aceitável do BE”. “Não vai haver nenhum empréstimo ao fundo de resolução em 2021”, disse, frisando que a solução “é razoável”.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
EconomiaPolítica

"Rigor não é sinónimo de austeridade. Não antevemos qualquer aumento de impostos"

Assine nossa Newsletter