Guedes considera "inaceitável" taxar o trabalho, mas, para já, prefere "esse imposto de merda" - Plataforma Media

Guedes considera “inaceitável” taxar o trabalho, mas, para já, prefere “esse imposto de merda”

O ministro da EconomiaPaulo Guedes, disse nesta sexta-feira, 16, que não desistiu de criar um imposto sobre transações para desonerar a folha de pagamento e tentar incentivar a geração de empregos. Segundo o ministro, enquanto não houver uma solução melhor, ele prefere “esse imposto de merda”.

“Estamos subsidiando capital e taxando o trabalho. É inaceitável. Então, enquanto as pessoas não vierem com uma solução melhor, eu prefiro a segunda melhor, que é esse imposto de merda”, afirmou Guedes em live em inglês promovida pela XP Investimentos.

O ministro, porém, nega qualquer semelhança com a antiga CPMF, tributo que era cobrado sobre transações financeiras e que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde. A alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação. “Não é CPMF de jeito nenhum. É digital”, afirmou.

Leia mais em IstoÉ.

Artigos relacionados
BrasilEconomia

Guedes considera que em nenhum momento a democracia brasileira esteve em risco

BrasilEconomia

Guedes diz que acordos políticos no Brasil dificultam privatizações

BrasilCultura

"Que medo que o governo tem dos artistas", diz atriz brasileira Marisa Orth

BrasilEconomia

Guedes diz que Brasil “volta aos trilhos” com criação de empregos

Assine nossa Newsletter