"China tem feito tudo o que pode para ajudar Angola" - Plataforma Media

“China tem feito tudo o que pode para ajudar Angola”

O acordo de reestruturação da dívida de Angola à China será assinado “muito em breve”. A garantia foi dada pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China

“Neste momento, um acordo de reestruturação da dívida foi basicamente alcançado”, disse o porta-voz durante a conferência de imprensa diária do MNE chinês.

O mesmo responsável confimou que, no passado dia 25 de setembro, o Presidente da China, Xi Jinping, e o Presidente angolano, João Lourenço, mantiveram uma conversa telefónica. Acrescentado que esta se pautou pelo tom amistoso e que “mantiveram intercâmbios abrangentes sobre o aprofundamento das relações bilaterais e chegaram a um amplo consenso”.

Wang Wenbin indicou que “Angola é um importante parceiro de cooperação da China em África“. Referindo que “Angola está a enfrentar muita pressão da dívida, a China tem feito tudo o que pode para ajudar Angola a superar as dificuldades”.

“Tanto quanto sei, as instituições financeiras chinesas relevantes têm estado em estreita comunicação com o lado angolano para aliviar a pressão da dívida, com grandes progressos nas discussões”, adiantou.

“É expectável que o acordo seja assinado muito em breve”, acrescentou. Indicando que o Banco de Exportações e Importações da China ofereceu assistência para ajuda financeira de emergência através do Fundo Monetário Internacional (FMI), mas sem adiantar pormenores.

O custo da dívida pública de Angola deverá aproximar-se dos 7 mil milhões de dólares (quase 6 mil milhões de euros), ou 12,3% do PIB, este ano. Destes 2,5 mil milhões de dólares (2,1 mil milhões de euros) estão em dívida bilateral que deverá ser reestruturada, no seguimento do acordo alcançado com o Clube de Paris. Este acordo servirá de exemplo para outros credores oficiais, nomeadamente a China, que detém mais de 40% da dívida externa do país.

Os restantes 4,4 mil milhões de dólares (3,7 mil milhões de euros) deverão ser pagos “através de uma combinação de empréstimos multilaterais, recurso ao fundo soberano e às reservas externas”.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
AngolaEconomia

Ministério das Finanças angolano está a certificar 4 mil reclamações de dívidas

AngolaEconomia

Dívida pública de Angola com redução considerável

EconomiaPortugal

Endividamento da economia portuguesa superou os 738 mil milhões

ChinaEconomia

China prepara medidas após incumprimento de empresas estatais

Assine nossa Newsletter