Um emigrante português em Estocolmo: "Quando uso máscara sinto-me marciano" - Plataforma Media

Um emigrante português em Estocolmo: “Quando uso máscara sinto-me marciano”

Suécia de um lado, o resto do mundo do outro. A pandemia afastou o país escandinavo da norma. Ali, nunca foi decretado isolamento social, nem o uso obrigatório de máscara

Uma abordagem que que gerou polémica, sobretudo quando, em maio, o número de mortes per capitas disparou para uma das mais altas, a nível mundial. O cenário inverteu-se nas semanas seguintes, mantendo o governo sueco a mesma estratégia de combate ao coronavírus.

Sentado numa esplanada, perto do centro de Estocolmo, António Afonso conversa com a mesma naturalidade que vê em seu redor, num início de tarde.

“Estou junto ao museu da cidade e aqui, praticamente quase poderia dizer que a situação, ao olhar à minha volta, não pensaríamos que existe esse problema cá, da Covid-19. Onde estou, junto a uma saída da estação do metro, só vejo passar pessoas, sem máscara. É um sitio bastante concorrido, mas não vejo absolutamente nada que possa indicar que há qualquer problema nesta sociedade”.

António Afonso é emigrante na Suécia há 55 anos. Teve várias profissões, até à reforma. Não tem dúvidas que respeito e organização são as palavras que melhor definem os suecos, e que explicam a estratégia de combate à Covid-19, em que nunca foi imposto nem o confinamento, nem o uso obrigatório de máscara.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
MundoSociedade

Mercado clandestino vai forçar produção de vacinas genéricas

PortugalSociedade

Mais 58 mortes e 1027 novos casos nas últimas 24 horas

BrasilSociedade

Primeiro caso de covid-19 no Brasil completa um ano

PortugalSociedade

Número de mortes diárias cai para 49. Há 1160 novos casos de Covid-19 em Portugal

Assine nossa Newsletter