Julgamento do hacker Rui Pinto: "Nunca recebi dinheiro pelo que fiz" - Plataforma Media

Julgamento do hacker Rui Pinto: “Nunca recebi dinheiro pelo que fiz”

Rui Pinto disse que não se considera um hacker nem um mártir, mas sim um “whistleblower” (denunciante) e que nunca agiu por dinheiro. “Fiz tudo por um bem maior”, garantiu

Rui Pinto afirmou esta sexta-feira, durante o julgamento no Tribunal Central Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça, que está numa “estranha situação”, “por um lado como arguido, por outro como testemunha protegida”. O gaiense disse ainda que não se considera um hacker nem um mártir, mas sim um “whistleblower” (denunciante) e que nunca agiu por dinheiro. “Fiz tudo por um bem maior”, garantiu.

Rui Pinto só prestou uma declaração no início do julgamento, esta sexta-feira, sem responder a perguntas dos juízes, sendo que ainda poderá fazê-lo até ao fim da sessão.

Na identificação inicial, o hacker disse ser desempregado e que antes desempenhou atividade na compra de venda e livros.

“Estou aqui numa estranha situação, por um lado como arguido, por outro como testemunha protegida”, afirmou o gaiense. “Não me considero um hacker nem um mártir. Sou um whistleblower. O meu trabalho como whistleblower terminou”, acrescentou Rui Pinto, assegurando que as “revelações são motivo de orgulho e não de vergonha”.

O hacker lembrou a colaboração com orgãos de comunicação social mundiais e com as autoridades estrangeiras e que está agora a colaborar com as nacionais.

Leia mais em Jornal de Notícias

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPolítica

Julgamentos de manifestantes prosseguem esta semana em Cuba

MundoPolítica

Termina primeira sessão do julgamento de Aung San Suu Kyi

MacauPolítica

TSI manda repetir julgamento de Jackson Chang

MundoPolítica

Grande júri é formado para decidir sobre eventual julgamento de Trump

Assine nossa Newsletter