Mais de 95% das perdas do Novo Banco são do tempo do BES - Plataforma Media

Mais de 95% das perdas do Novo Banco são do tempo do BES

António Ramalho, presidente executivo do banco, assegura que as perdas referidas na auditoria são anteriores a 2014.

O presidente executivo do Novo Banco disse, esta quarta-feira, que 95% das perdas referidas na auditoria da Deloitte devem-se a ativos anteriores a 2014, ou seja, que pertenciam ao BES e passaram para o Novo Banco na resolução.

“Das perdas, mais de 95% são originadas por perdas antes de 2014, não há um único crédito, um único novo nome que tenha sido concedido posteriormente à resolução”, afirmou António Ramalho em conferência de imprensa em Lisboa.

O responsável disse ainda que as vendas de ativos feitas nos últimos anos aconteceram porque o banco a isso estava obrigado, cumprindo as regras de concursos internacionais, com assessoria especializada e com escrutínio.

António Ramalho considerou que nos últimos três meses o Novo Banco recebeu um “conjunto de críticas sem precedentes” e que se manteve “silencioso dentro do limite das suas possibilidades” porque estava a decorrer a auditoria, mas que agora “terminou o ciclo de silêncio e iniciou-se o do esclarecimento”.

A auditoria da Deloitte aos atos de gestão do BES/Novo Banco refere-se ao período entre 2000 e 2018 (ou seja, abarcando quer o período antes quer depois da resolução do BES e criação do Novo Banco), decorre desde o ano passado e deveria ter ficado concluída em julho, tendo sido entregue na terça-feira ao Governo.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
EconomiaPortugal

Impedida a transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco

EconomiaPolítica

Parlamento anula transferência milionária do Fundo de Resolução para Novo Banco

EconomiaPortugal

Novo Banco agrava prejuízos para 853,1 milhões de euros

EconomiaPortugal

Novo Banco: "Vendas a muito desconto? Não! Foram ao preço do mercado"

Assine nossa Newsletter