Banca enfrenta menos atividade e mais endividamento estatal

Banca enfrenta menos atividade e mais endividamento estatal

A consultora Fitch Solutions considerou hoje que o setor bancário em Angola será penalizado a curto prazo pela pandemia da covid-19, com uma redução do crescimento dos empréstimos e mais endividamento do Estado.

“O setor dos serviços financeiros e bancários enfrentam uma perspetiva consideravelmente mais desafiante no curto prazo devido às consequências económicas da pandemia da covid-19”, escrevem os analistas num comentário ao setor.

No texto, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas desta consultora detida pelos mesmos donos da agência de notação financeira Fitch Ratings, lê-se que, “apesar de o país ter atingido um sucesso relativo na contenção da pandemia, o colapso do processo petrolífero a nível mundial, a suspensão de muitas rotas internacionais e as perturbações internas vão, ainda assim, empurrar o país para uma recessão este ano”.

Em resultado disso, continuam, a Fitch Solutions “espera um ciclo negativo na procura no mercado, com apetite mais fraco pelos empréstimos aos clientes e, fora do setor dos seguros de saúde, menor atividade nos setores dos seguros e nos serviços relacionados com os investimentos”.

Na análise, os consultores da Fitch Solutions dizem que “mesmo com as pressões económicas, o setor bancário em Angola já estava a lidar com vários desafios estruturais”, como a qualidade baixa dos ativos e a subida do endividamento do Estado, que “limita o espaço para os empréstimos do setor privado”.

Neste contexto, “e com um ritmo moderado de depreciação do kwanza nos próximos trimestres, é previsível que haja um abrandamento do crescimento do crédito nos próximos anos antes de haver uma recuperação marginal” a médio prazo, concluem os analistas.

A Fitch antevê uma recessão de 4% este ano e uma recuperação do crescimento económico até 2% em 2024, segundo as mais recentes previsões desta consultora.

Angola registou mais 61 novos infetados pelo novo coronavírus e dois óbitos, nas últimas 24 horas, somando o total de 2.283 casos positivos e 102 mortes, informou hoje o secretário de Estado para a Saúde Pública.

A covid-19 provocou a morte de 205 pessoas em África nas últimas 24 horas, metade das quais na África do Sul, estando agora contabilizados na região 1.195.297 infetados pelo novo coronavírus, segundo dados oficiais.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 813 mil mortos e infetou mais de 23,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Artigos relacionados
ChinaEconomia

BNU e Banco da China emitem moeda em Macau até 2030

EconomiaPortugal

Quase 400 mil famílias portuguesas deixaram de pagar os créditos

EconomiaMacau

Branqueamento de capitais: Sistema contra atividade suspeita funciona, diz especialista

ChinaEconomia

Haitong Bank regista prejuízos de 12 milhões no 1.º semestre

Assine nossa Newsletter