Bolsonaro diz que Governo vai respeitar teto de gastos - Plataforma Media

Bolsonaro diz que Governo vai respeitar teto de gastos

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou que o Governo vai respeitar o teto de gastos, que limita o aumento anual dos orçamentos públicos à inflação do ano anterior, acrescentando que a economia do país “está a reagir”.

Numa rápida declaração à imprensa, na quarta-feira, em Brasília, Jair Bolsonaro voltou a defender a agenda de privatizações do Governo, de cariz neoliberal e baseada numa série de reformas para destravar a economia e equilibrar as contas públicas do país, e indicou que vai continuar a apostar na “responsabilidade fiscal”.

O chefe de Estado, no poder desde 01 janeiro de 2019, considerou ainda que o Brasil “vai bem” e a economia “está a reagir”, apesar do colapso observado em diversos setores devido à pandemia da covid-19, que já fez 104.201 mortos e 3.164.785 infetados no país.

“Respeitamos o teto de gastos, queremos responsabilidade fiscal e o Brasil tem como realmente ser um dos países que melhor reagirá à questão da crise”, frisou.

Bolsonaro acrescentou que o Governo deseja o “progresso, desenvolvimento e bem-estar” do povo brasileiro.

Também na quarta-feira, o Presidente brasileiro reuniu-se com vários ministros e políticos, incluindo os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, na sequência do pedido de demissão de dois secretários estratégicos da área económica, apresentado no dia anterior.

Após o encontro, o líder da Câmara dos Deputados reafirmou o “compromisso com o teto de gastos e com o bom direcionamento dos gastos públicos”.

Para o presidente do Senado, a reunião serviu para “nivelar as informações” da agenda de responsabilidade fiscal, que limita os gastos públicos.

Na terça-feira, os secretários Salim Mattar e Paulo Uebel, até então responsáveis pelas privatizações e pelas reformas administrativas, respetivamente, apresentaram a demissão e justificaram a decisão com o atraso dos processos que lhes foram confiados, o que suscitou dúvidas sobre o futuro das privatizações no Brasil.

Para 2020, analistas consultados pelo Banco Central projetaram que uma contração de 5,6% da economia brasileira, mas o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional apresentaram já previsões mais pessimistas, com uma quebra entre os 8% e os 9%.

Artigos relacionados
BrasilCultura

Jogar à bola com cabeça de Bolsonaro rende ameaças de morte a coletivo de arte

BrasilPolítica

Uso de dinheiro vivo sustentou campanhas eleitorais da família Bolsonaro

BrasilSociedade

Brasil contabiliza média móvel de 707 óbitos por dia devido ao coronavírus

BrasilPolítica

Guru de Bolsonaro volta a disparar em direção ao Presidente do Brasil

Assine nossa Newsletter