OMS recebe com cautela vacina russa contra a Covid-19 - Plataforma Media

OMS recebe com cautela vacina russa contra a Covid-19

A Rússia anunciou ter registado a primeira vacina contra o novo coronavírus, mas a OMS já assumiu cautela e diz que é preciso garantir eficácia e segurança. Vacina ainda não avançou para a Fase 3

Chama-se “Sputnik V”, é russa, e é a primeira vacina registada contra a Covid-19, segundo o que foi anunciado esta terça-feira, pelo Presidente da República, Vladimir Putin.

As autoridades do país dizem que a produção industrial da vacina vai começar já em setembro e que a 1 de janeiro de 2021 o produto já estará em circulação. De acordo com fontes oficiais locais, “20 países já encomendaram um milhão de doses”. 

Mas apesar de, aparentemente, a Rússia ter ganho a “corrida” à vacina contra o SARS-CoV-2, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recebeu a notícia com muita cautela, sublinhando que a vacina deverá seguir os trâmites de pré-qualificação e revisão estabelecidos pela agência.

A agência sanitária da ONU sublinhou que a organização está satisfeita “com a rapidez com que as vacinas estão a ser desenvolvidas” e espera que algumas delas “se mostrem seguras e eficazes”. 

A Alemanha também expressou dúvidas sobre a “qualidade, eficácia e segurança” da vacina russa contra o novo coronavírus, lembrando que, na União Europeia, “a segurança do paciente é a principal prioridade”.

Apesar do anúncio de Putin, diversos cientistas questionaram a decisão de registar a vacina antes de completada a chamada Fase 3 da investigação, que demora vários meses e envolve milhares de pessoas voluntárias. É a única forma de provar que a vacina experimental é segura e funciona. 

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
DesportoPortugal

Movimento "Sem Adeptos Não Há Futebol" quer regresso aos estádios

BrasilPolítica

Um em cinco moradores de São Paulo admite não votar por medo do coronavírus

Cabo VerdeSociedade

Covid-19: Turismo parado levou cabo-verdianos de Chã das Caldeiras a pegarem nas enxadas

DesportoMacau

Michael Rutter: “Com quarentena de 14 dias não vamos ao Grande Prémio de Macau”

Assine nossa Newsletter