"Cibersoldados" ao serviço da China invadem as redes sociais com ameaças e propaganda- Plataforma Media

“Cibersoldados” ao serviço da China invadem as redes sociais com ameaças e propaganda

São como “guarda costas” no espaço virtual do regime de Xi Jinping. Através de perfis falsos nas redes sociais, ameaçam jornalistas por terem escrito artigos críticos de Pequim e mantêm viva a narrativa do Partido Comunista chinês sobre a pandemia da Covid-19 ou temas como Hong Kong ou Taiwan

O jornal espanhol El Mundo publica na edição desta terça-feira um artigo de fundo intitulado: “Os guarda costas da China no ciberespaço”. O artigo refere casos concretos de cidadãos chineses que são autênticos “cibersoldados” ao serviço de Pequim. Recorrem a perfis falsos e outros truques para fazerem ameaças a jornalistas e espalharem a propaganda do regime de Xi Jinping nas redes sociais.

O utilizador @lorochino21 será um desses cibersoldados. Apareceu no Twitter a 25 de fevereiro para criticar um artigo do jornal El Mundo sobre a censura da China em tempos de coronavírus. E escreveu o seguinte ao jornalista: “És uma marioneta atrasada e psicopata ao serviço dos teus amos dos Estados Unidos. Vê lá que a censura que dizes existir é tal que te escrevo no Twitter a partir de Xangai”.

Esta foi a mensagem mais suave das cinco que o desconhecido enviou ao jornalista, num castelhano perfeito. Também se dedicou a partilhar notícias elogios à gestão da China no Global Times, um dos diários do Partido Comunista chinês. Como não obteve qualquer resposta, prosseguiu com os insultos, sempre sob anonimato, através de e-mails ou mensagens privadas via Facebook, escreve o El Mundo.

Como explica o artigo, para fazer tudo isto, este alegado utilizador do Twitter, precisaria de uma VPN, o software que permite saltar a grande muralha digital da censura. Seis meses depois da mensagem enviada no Twitter já não há rasto do homem ou mulher que estava por detrás do @lorochino21.

Há dias no e-mail de outro jornalista caiu uma mensagem de um indivíduo que se identificou como Chenwell. Alegou que o coronavírus foi levado para Wuhan por rmilitares norte-americanos. Na sua mensagem enviou “links” para várias contas do Twitter e Facebook de utilizadores anónimos mas que partilhavam fotos com símbolos da China nos seus perfis, todos eles a comentarem a mesma teoria.

Curiosamente, essa teoria foi lançada em março por uma figura não tão anónima, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian. Zhao acusa o Exército dos Estados Unidos de ter levado o coronavírus para Wuhan durante os Jogos Mundiais Militares de outubro.

O porta-voz Zhao Lijian publicou um comentário com a sua teoria noTwitter, uma rede social que está proibida na China, à semelhança do Facebook, Instagram, Watsapp, Google, Youtube, Snapchat, Tumblr, Netflix…enfim e de todas as plataformas digitais norte-americanas.

Desde o início da pandemia da Covid-19 foram vários os políticos, diplomatas e cidadãos chineses anónimos que usaram as redes sociais ocidentais como o Twitter para atacar em vários idiomas jornalistas e outras personalidades que publicam comentários críticos sobre Pequim ou que põem em causa a origem da pandemia. Converteram-se nos “guarda costas” da China num ciberespaço vetado e censurado por Pequim, escreve o El Mundo.

Um diplomata veterano europeu que reside em Pequim chama-lhe ” a guerra da propaganda e da desinformação”. Na passada quinta-feira, um dos atos desta guerra partiu de um dos inimigos da China. O Google eliminou mais de 2500 canais de youtube vinculados à China como parte do seu esforço para eliminar a desinformação na plataforma de vídeos. Em junho foi o Twitter que eliminou mais de 173.000 contas da China que estavam a veicular “informação errada sobre a pandemia da Covid-19” e também sobre outros temas políticos como Taiwan ou Hong Kong.

“Se o Twitter realmente quer fazer a diferença, o que devia fazer era encerrar as contas que difamam a China”, comentou então o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
ChinaEconomia

Fortuna dos bilionários chineses da Internet com crescimento recorde em 2020

ChinaSociedade

Austrália vai contratar 500 ciberespiões para enfrentar ameaça da China no espaço virtual

MundoPolítica

PM australiano denuncia ciberataque de "ator estatal"

MundoPolítica

Trump em guerra com a internet

Assine nossa Newsletter