ONU realiza hoje consultas sobre a Guiné-Bissau - Plataforma Media

ONU realiza hoje consultas sobre a Guiné-Bissau

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai realizar hoje consultas sobre a Guiné-Bissau e analisar o último relatório do secretário-geral da ONU, António Guterres, sobre o país

No último relatório sobre a Guiné-Bissau, divulgado na sexta-feira, António Guterres pediu aos atores políticos guineenses para dialogarem genuinamente para que seja implementada uma governação inclusiva e realizadas reformas essenciais à estabilidade na Guiné-Bissau.

O secretário-geral da ONU exortou também as autoridades da Guiné-Bissau a “demonstrarem rapidamente” o seu compromisso na luta contra o tráfico de droga com a aplicação do plano aprovado em 2019 pelo anterior Governo.

Guterres insistiu na necessidade de as forças de defesa e segurança se “absterem de qualquer ingerência no processo político, sob pena de comprometerem a paz e a estabilidade”.

“Exorto as autoridades de Estado a responsabilizarem aqueles que se envolvem em atos de intimidação, incluindo ameaças de morte, discurso de ódio e incitamento à violência”, afirmou António Guterres, salientando a necessidade de ser estabelecido um ambiente propício ao respeito pelos direitos humanos e pelo Estado de Direito.

Depois de a Comissão Nacional de Eleições ter declarado Umaro Sissoco Embaló vencedor da segunda volta das eleições presidenciais, o candidato dado como derrotado, Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), não reconheceu os resultados eleitorais, alegando que houve fraude e meteu um recurso de contencioso eleitoral no Supremo Tribunal de Justiça, que não tomou, até hoje, qualquer decisão.

Umaro Sissoco Embaló assumiu unilateralmente o cargo de Presidente da Guiné-Bissau em fevereiro e acabou por ser reconhecido como vencedor das eleições pela CEDEAO, que tem mediado a crise política no país, e restantes parceiros internacionais.

Após ter tomado posse, o chefe de Estado demitiu o Governo liderado por Aristides Gomes, saído das eleições legislativas de 2019 ganhas pelo PAIGC, e nomeou um outro liderado por Nuno Nabian, líder da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), que assumiu o poder com o apoio das forças armadas do país, que ocuparam as instituições de Estado.

O programa de Governo de Nuno Nabian foi aprovado no parlamento da Guiné-Bissau com o apoio de cinco deputado do PAIGC.

Artigos relacionados
Editorial

Longe da vista

AngolaMundo

ONU em Angola será coordenada por canadiana

Cabo VerdePolítica

Cabo Verde reafirma compromisso com multilateralismo na ONU

PortugalSociedade

Marcelo defende que pandemia torna mais urgente o compromisso de todos com a ONU

Assine nossa Newsletter