EUA acusam diretor-geral da OMS de ter sido comprado pela China -

EUA acusam diretor-geral da OMS de ter sido comprado pela China

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, acusou o director-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedro Ghebreyesus, de ter sido “comprado” pelo Governo chinês, dizem hoje os jornais britânicos.

De acordo com os jornais diários The Times e Daily Telegraph, o chefe da diplomacia dos EUA deixou essa acusação na terça-feira, durante uma conferência com parlamentares britânicos, interdita aos jornalistas. Segundo fontes presentes nesse encontro, Pompeo disse que os erros da OMS – que classificou como uma organização política, não baseada na ciência – na luta contra a pandemia de Covid-19 provocou “mortes britânicas”.

 “Quando as coisas começaram a mudar, no momento mais importante, quando houve uma pandemia na China, o dr. Tedros, que foi comprado pelo Governo chinês… não posso dizer mais nada, mas posso dizer, afirmo que, com base em informações sólidas, que foi alcançado um acordo por ocasião da eleição do Sr. Tedros à frente da OMS”, terá dito Pompeo, segundo um relato do Daily Telegraph.

“Havia um acordo para esta eleição. E quando as coisas começaram a mudar, houve britânicos mortos, por causa do acordo que foi feito”, explicou o secretário de Estado norte-americano, segundo o Daily Telegraph. Os comentários foram feitos durante uma reunião organizada pela Henry Jackson Society – um ‘think tank’ (grupo de reflexão) descrito pelo The Times como defensor da linha dura contra Pequim – duas semanas depois de os Estados Unidos terem oficializado a sua saída da OMS, que Washington acusa de ter demorado a agir perante a pandemia de Covid-19.

Leia mais em Jornal de Angola

Este artigo está disponível em: English

Related posts
Desporto

Japão suspenderá estado de emergência um mês antes dos Jogos de Tóquio

EconomiaMundo

Países da zona euro devem manter “postura orçamental de apoio” em 2022

Mundo

OMS designa como variante Lambda o SARS-CoV-2 presente na América Latina

MundoSociedade

UE adverte que campanhas de vacinação podem ignorar grupos vulneráveis

Assine nossa Newsletter