Brasil absteve-se em votação na ONU contra discriminação de mulheres e meninas - Plataforma Media

Brasil absteve-se em votação na ONU contra discriminação de mulheres e meninas

A representação brasileira seguiu a posição ultraconservadora de Egito, Paquistão e Arábia Saudita. O Brasil sugeriu alterações ao texto em conjunto com esses países, no entanto, na votação de emendas optou pela abstenção.

A resolução, que busca estabelecer parâmetros para eliminar o preconceito, foi proposta pelo México e orienta os Estados a tomarem medidas para solucionar o problema, incluindo possíveis impactos da pandemia sobre as mulheres.

Na fase de negociações, a representação brasileira alinhou-se a nações ultraconservadoras como Egito, Paquistão e Arábia Saudita. O Brasil sugeriu mudanças ao texto em conjunto com esses países —mas durante a votação de emendas preferiu se abster.

Rússia, Egito e Arábia Saudita sugeriram cinco emendas ao relatório final. Elas suprimiriam as orientações para que os países reconheçam jovens defensoras de direitos humanos, promovam a educação sexual universal, garantam os direitos reprodutivos, assim como o acesso aos serviços e à informação sobre saúde sexual e reprodutiva durante a pandemia do novo coronavírus.

A maior parte dos países votou contra, e nenhuma delas foi aprovada. O Brasil se absteve nas cinco oportunidades, inclusive na votação de emenda proposta pela Rússia que incluía uma sugestão dada pela própria delegação brasileira durante as negociações.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Assine nossa Newsletter