Angola prevê regresso aos excedentes orçamentais em 2021 -

Angola prevê regresso aos excedentes orçamentais em 2021

João Lourenço recordou que o país teve sucessivos défices orçamentais desde 2014. Assim, fez disparar o rácio da dívida pública de cerca de 30% em 2013 para, aproximadamente, 113% em 2019.

Angola, que perspetiva um défice orçamental de 4% do PIB este ano, prevê regresso aos excedentes orçamentais em 2021, antecipou o Presidente da República angolano, João Lourenço, numa mensagem dirigida aos deputados da Assembleia Nacional.

A mensagem de João Lourenço foi lida esta terça-feira pelo ministro de Estado da Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior. A revelação foi feita na abertura do debate sobre o Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2020 revisto, que vai ser votado esta terça-feira.

“Prevemos retomar a trajetória de ‘superavits’ orçamentais, isto é, de saldos orçamentais positivos, em 2021”, destacou o chefe de Estado. O líder sublinhou ainda que esta situação “é de uma importância enorme”, pois significa que o país terá menores necessidades de endividamento.

João Lourenço recordou que o país teve sucessivos défices orçamentais desde 2014, o que fez disparar o rácio da dívida pública de cerca de 30% em 2013 para, aproximadamente, 113% em 2019.

Em 2018, Angola registou, pela primeira vez em quatro anos, um saldo orçamental positivo de 2,1% do PIB. Em 2019, o saldo foi de 0,8% e estava previsto também um ‘superavit’ de 1,2% para 2020, uma trajetória “infelizmente” interrompida em consequência da crise económica e financeira que o país está a viver.

O Presidente angolano justifica a necessidade de revisão do OGE com a crise criada pela pandemia de covid-19. Até ao momento, Angola regista 525 infetados e 26 mortos.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
AngolaEconomia

João Lourenço afirma que a produção interna é a “única saída” de Angola

AngolaPolítica

João Lourenço: O desafio de fazer uma Angola melhor

EconomiaLusofonia

Orçamento de Timor-Leste beneficia da estabilidade política

AngolaEconomia

Oito em cada 10 angolanos dão nota negativa ao Governo de João Lourenço

Assine nossa Newsletter

Vale a pena ler...
Bolsonaro pede a João Lourenço que proteja membros da IURD em Angola