Itália autoriza os migrantes do "Ocean Viking" a desembarcar na Sicília

Itália autoriza os 180 migrantes do “Ocean Viking” a desembarcar na Sicília

As autoridades italianas autorizaram hoje a desembarcar na Sicília os 180 migrantes a bordo do navio humanitário “Ocean Viking“, gerido pela organização não-governamental (ONG) SOS Méditerranée, que anunciou a decisão do Governo de Roma no Twitter.

A ONG adiantou que o navio foi autorizado a aportar em Porto Empodocle, no sul da Sicília, onde os resgatados deverão desembarcar na segunda-feira.

“Alívio no ‘Ocean Viking’, já que o navio recebeu, finalmente, instruções para dirigir-se para Porto Empodocle, Sicília. Os 180 resgatados [no Mar Mediterrâneo] desembarcarão no porto amanhã [segunda-feira]”, lê-se no Twitter.

No entanto, o Ministério do Interior italiano já adiantou que os 180 migrantes serão transferidos para outro navio, onde irão passar duas semanas de quarentena.

“Estão autorizados a serem transferidos para bordo do ‘Moby Zaza”, um ‘ferryboat’ que está atracado no porto siciliano”, disse o ministro do Interior italiano, Dino Martirano.

No Twitter, a SOS Méditerranée, porém, criticou o “atraso desnecessário do desembarque”, que, sustentou, “pôs vidas em risco”, uma vez que alguns dos 180 migrantes já estão há dez dias a bordo” depois de terem sido resgatados a 25 de junho.

Entre os resgatados estão 25 menores e uma mulher grávida.

“Ao longo dos últimos dias, a União Europeia (UE) manteve-se em silêncio. Não vimos qualquer iniciativa para repensar o Acordo de Malta e para transferir as pessoas resgatadas. Não há sinais de solidariedade com os Estados costeiros [do Mediterrâneo]”, frisou a organização não-governamental.

Exames realizados

A SOS Méditerranée lembrou que, no sábado, uma equipa de médicos italianos examinou o estado de saúde dos migrantes, também os testou à covid-19, e pôde reportar no relatório o “enorme incómodo psicológico” que imperava entre os resgatados, algo que a ONG já tinha denunciado nos últimos dias, tendo, inclusivamente, declarado o estado de emergência a bordo.

A ONG pediu também a evacuação de 44 pessoas por motivos de saúde, mas nenhum dos países deu qualquer resposta aos pedidos.

O navio socorreu os 180 migrantes em quatro operações, com a primeira delas a ocorrer a 25 de junho. Desde então, pediu por seis vezes a Itália e a Malta autorização para atracar num qualquer porto da região, tendo só hoje obtido resposta.

A espera dos migrantes no Mediterrâneo e a falta de uma solução no horizonte durante dias levaram quinta-feira a que alguns dos resgatados se atirassem ao mar, tendo, no entanto, sido resgatados imediatamente pela tripulação do navio.

Em setembro de 2019, Itália, Malta, Alemanha e França definiram em La Valeta um plano de redistribuição dos migrantes resgatados do mar.

Já este ano, no início de abril, Itália e Malta declararam que os seus portos não eram seguros para os migrantes resgatados do mar devido ao estado de emergência vigente nos dois países por causa da pandemia de covid-19.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
Política

Mario Draghi renuncia ao cargo de primeiro-ministro em Itália

Política

Mario Draghi propõe novo pacto em Itália

Política

Começam negociações políticas na Itália sobre futuro do governo

PolíticaSociedade

Medidas de segurança após avalanche geram polêmica na Itália

Assine nossa Newsletter