Angola está entre os PALOP com menos casos mas não não faz o número de testes suficiente - Plataforma Media

Angola está entre os PALOP com menos casos mas não não faz o número de testes suficiente

O representante interino da OMS sublinhou que Angola é o país que tem menos casos mas “não está a ser fornecido com um número necessário de testes”, apesar de o Governo estar a pedir “em todos os meios possíveis”

O representante interino da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Angola disse hoje, em Luanda, que Angola está no grupo de países africanos lusófonos com menos casos de covid-19, mas alertou para a “clara tendência de crescimento”.

Instado pela agência Lusa a comentar a aceleração da pandemia em África, Javier Aramburu, disse que os países africanos não têm um número maior de casos e óbitos comparativamente a alguns países latino-americanos, mas avisou que a situação é “séria”.

“Há países latino-americanos que têm maior número de casos e mortes que os países africanos, o que não indica que a situação não seja séria em África”, referiu.

O responsável sublinhou que “os casos estão a aumentar e há países que têm um grande número de infeções, como a Guiné-Bissau, com mais de 1.600 casos, logo seguida de Cabo Verde, que tem neste momento um número aproximado de 1.250 casos”.

Por outro lado, temos o caso de Moçambique, já com 900 casos, São Tomé e Príncipe também tem um número de casos importante, está ao redor de 600 casos, e Angola que tem ainda menos de 500 casos, estamos a falar até ontem [quarta-feira] de 291 casos

Javier Aramburu sublinhou que Angola é o país que tem menos casos, mas assinalou que o país “não está a ser fornecido com um número necessário de testes”, apesar de o Governo estar a pedir “em todos os meios possíveis”.

“Pode ser que o número real seja maior”, frisou.

Questionado sobre eventuais explicações para um maior número de óbitos em Angola comparativamente a países como Cabo Verde e São Tomé e Príncipe que têm mais infeções diagnosticadas, Javier Aramburu frisou que se tratando de ilhas pequenas, com população relativamente pequenas, o controlo fica mais facilitado.

Relativamente a Cabo Verde, o responsável salientou que o país tem muito mais apoio a partir da Europa, por exemplo.

Já Angola “tem uma situação mais difícil, porquanto a disponibilidade de testes para o país é insuficiente. É um problema que se está a passar não só em África, mas em todo o mundo”, destacou.

Related posts
MacauMundo

São ou não as vacinas perigosas a longo prazo?

MundoSociedade

Centro Europeu de Controlo de Doenças aceita vacinação em crianças

MundoSociedade

Especialistas recomendam autorização de pílula anticovid da Merck

MoçambiquePortugal

Embaixada de Portugal em Maputo anuncia voos de apoio ao regresso

Assine nossa Newsletter