Recém-desmobilizados da RENAMO vivem com medo - Plataforma Media

Recém-desmobilizados da RENAMO vivem com medo

No centro de Moçambique, em Sofala, homens da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), recém-desmobilizados, voltaram às origens depois de 30 anos nas zonas de matas.

Os ex-combatentes são oriundos das regiões onde atualmente se registam confrontos entre as tropas governamentais e homens da Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana, liderada por Mariano Nhongo – um grupo dissidente da RENAMO.   

Albertina Sibanda, delegada distrital da RENAMO, esteve reunida na semana passada com a maioria dos homens desmobilizados. No encontro foram apresentadas várias queixas. “Muitos estão a viver num ambiente de medo.”

O grupo dissidente liderado por Nhongo está a perder efetivos. Começa a discutir-se, até, se o grupo armado pode comprometer o acordo de DEsarmamento, Desmobilização e Reintegração conseguido entre a RENAMO e a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO).

Ouvido pela Deutsche Welle África, o presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango, lamenta a ocorrência destes episódios e apela ao entendimento entre a FRELIMO e a RENAMO, com a sociedade civil incluída na conversa.

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Ataque de dissidentes da RENAMO faz dois mortos e quatro feridos graves no centro de Moçambique

MoçambiquePolítica

Analistas: Henriques Dhlakama tem de construir o seu projeto para ter relevância política

MoçambiquePolítica

Junta Militar nega envolvimento nos ataques ocorridos em Sofala, no centro de Moçambique

MoçambiquePolítica

Filho de Dhlakama vai concorrer à presidência de Moçambique em 2024

Assine nossa Newsletter