"Podem ter o petróleo, mas escravatura em Cabinda não"; diz líder da FLEC - Plataforma Media

“Podem ter o petróleo, mas escravatura em Cabinda não”; diz líder da FLEC

Emmanuel Nzita entende o valor do petróleo de Cabinda, não só para Angola como para muitas outras potências envolvidas na sua exploração. “Todos podem beneficiar” dessa riqueza, no contexto da economia global, mas não a troco da “escravatura” nem do direito à “autodeterminação”. Em Entrevista ao PLATAFORMA, o líder da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda queixa-se ainda do abandono dos refugiados, por quem “ninguém faz nada”, apontando o dedo a António Guterres e às Nações Unidas .

Mais de metade do petróleo que Angola exporta é extraído em Cabinda, circunstância que Emmanuel Nzita reconhece que terá influência num eventual processo de negociação – para além das questões históricas, políticas ou culturais que sustentam o desejo de autodeterminação. Mas isso não pode impedir uma solução. Porque “Angola é rica”, e em primeiro lugar está “a dignidade do povo de Cabinda”. Até porque os interesses em volta do petróleo podem ser salvaguardados de outras formas, remata Nzita.

O problema dos refugiados arrasta-se, quer em Cabinda quer na República Democrática do Congo, para onde muita gente foge da guerra. Emmanuel Nzita descreve um cenário de completo abandono e acusa as Nações Unidas de terem virado costas aos cabindas.

Depois do cessar-fogo anunciado pela FLEC-FAC, no contexto da crise pandémica, os combates voltaram a 4 de Julho; segundo Emmmanuel Nzita, por responsabilidade das Forças Armadas Angolanas. Nesta entrevista ao PLATAFORMA, faz um apelo a negociações que acabem com o conflito em Cabinda.

Outros temas da entrevista exclusiva ao Plataforma do líder da FLEC-FAC:

“Ponto a negociar a paz, em Portugal, Luanda, Cabinda, no céu ou no inferno”

“Portugal tem a carta maior”, Guterres “não dá resposta”

Related posts
AngolaSociedade

Independentistas de Cabinda reivindicam ter matado sete soldados angolanos

AngolaSociedade

FLEC-FAC preocupada com silêncio da CPLP sobre província angolana de Cabinda

AngolaPolítica

Ativista de Cabinda libertado após sete meses diz que detenções são recorrentes

AngolaPolítica

Deputados em Angola autorizaram construção de refinaria em Cabinda

Assine nossa Newsletter