Daniel Green insiste que não matou pai de Michael Jordan - Plataforma Media

Daniel Green insiste que não matou pai de Michael Jordan

Daniel Green está a cumprir pena de prisão perpétua pelo homicídio que, segundo ele, não cometeu. Green tinha 18 anos quando James Jordan, pai da lenda da NBA e dos Chicago Bulls, Michael Jordan, foi assassinado e continua a defender que apenas ajudou o seu amigo Larry Demery, igualmente preso, a livrarem-se do corpo, uma vez que, insiste, não estava presente no momento que que Jordan foi morto.

Tudo remonta a agosto de 1993 quando Daniel Green, então com 18 anos, e o seu amigo Larry Demery, de 17 anos, foram presos e acusados da morte de James Jordan. Ambos tinham antecedentes criminais, e foram capturados perto da zona onde Jordan foi assassinado.

Durante todo este tempo, Green manteve a versão de que era inocente na acusação de homicídio, enquanto Demery testemunhou que Green foi quem premiu o gatilho. Demery acusou ainda o amigo de ter tido a ideia de se aproximarem do carro onde James Jordan descansava com a única intenção de roubá-lo, mas depois disparou quando o pai da estrela da NBA terá começado a acordar.

As autoridades concluiram, na altura, que James Jordan foi morto no dia 23 de julho de 1993. Contudo, permaneceu desaparecido durante algumas semanas e o seu corpo foi encontrado, em avançado estado de de composição, cravado com uma bala no peito a 100 quilómetros do local onde terá sido executado.

Green insiste que não matou James Jordan

De acordo com o Chicago Tribune, Daniel Green e Larry Demery estiveram numa festa na noite anterior ao homicídio do pai de Michael Jordan. A versão de Green é que Demery deixou a festa para se preparar para uma viagem relacionada com estupefacientes em Nova Iorque. Green queria permanecer na festa. Demery terá voltado para a festa posteriormente, transtornado.

“Nunca o tinha visto assim antes”, disse Green ao Chicago Tribune, em 2018. “Já o tinha visto em situações em que ele estava chateado e em situações em que ele estava com medo. Mas o que vi naquele dia foi de um nível diferente”, acrescentou. Green acabou por revelar que Demery esteve envolvido numa briga perto de um hostel e que acabou por disparar na pessoa. Ele garante que apenas ajudou o amigo a desfazer-se do corpo.

Tentar um novo julgamento

De acordo com o WRAL.com, Daniel Green tem apresentado diversos recursos nos últimos 20 anos, na tentativa de que o seu caso seja revisto. Em janeiro passado, um tribunal bloqueou todos esses esforços. O advogado de Green, Chris Mumma, afirmou que Demery disse a muitas pessoas na prisão, que mentiu no banco dos réus e revelou que não viu Green matar James Jordan.

Green disse à WRAL por telefone que não ficou surpreso com a última decisão sobre o seu caso. “Não estou surpreso, porque sou inocente do crime, mas fui condenado”, disse. “Estou a lutarl há 26 anos para que um tribunal possa rever o meu caso. Isto, na verdade, não serve aos interesses da família Jordan. Eles estão a ser manipulados. Peço desculpas pelo meu papel em ajudar a criar essa situação.”

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoSociedade

Detido pai que matou filhos para se vingar da mulher no México

MundoSociedade

Polícia encontra quatro malas com pedaços de corpo humano

AngolaSociedade

Cidadão queimado vivo em ato de justiça popular pela morte de empresário em Angola

BrasilSociedade

Defesa de segurança do Carrefour nega intenção de matar Beto Freitas ou motivação racista

Assine nossa Newsletter