Renamo precisa de mudar de estratégias - Plataforma Media

Renamo precisa de mudar de estratégias, defende académico

O historiador francês Michel Cahen afirmou que a Renamo, principal partido da oposição moçambicana, precisa de repensar a sua atuação e não se limitar a mobilizar apoios em tempo de escrutínio, para não voltar a perder eleições

Michel Cahen defendeu uma maior acutilância da Resistência Nacional Moçambique (Renamo) na vida política e social do país, quando falava durante uma videoconferência sobre o tema “A Renamo pós-Dhlakama”.

“A Renamo e toda a oposição precisam de se reconfigurar, para não chegarem às eleições gerais de 2020 enfraquecidos e perderem de novo”, defendeu Cahen.

O principal partido da oposição deve manter uma atuação permanente na vida política e social das comunidades, exprimindo o sentimento das populações e apresentando políticas alternativas.

“A Renamo deve funcionar também fora dos períodos eleitorais e assumir-se como uma espécie de sindicato das populações que contestam o clientelismo e os abusos da Frelimo”, frisou Michel Cahen.

Uma contestação forte à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder há 45 anos, passa também por uma mudança geracional na liderança da oposição, porque a elite do poder na Renamo falhou no objetivo de ascender à liderança do país.

“Tem de haver uma reconfiguração geracional na oposição, que permita o surgimento de novas ideias, porque a atual geração não conseguiu contestar a hegemonia da Frelimo”, considerou Michel Cahen.

Michel Cahen avançou que se o principal partido da oposição se conformar com um papel secundário na política moçambicana vai acabar por se tornar irrelevante e provocar um distanciamento em relação à sua base social e ao eleitorado urbano desencantado com a Frelimo.

O historiador classificou o atual líder da Renamo, Ossufo Momade, como “um moderado”, assinalando que aceitou o estatuto legal de líder da oposição moçambicana, que foi rejeitado pelo seu antecessor no partido, Afonso Dhlakama, frisou.

Por outro lado, Momade assinou no ano passado o Acordo de Paz e Cessação das Hostilidades Militares com o Presidente da República, Filipe Nyusi, e comprometeu-se com o Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) do braço armado da Renamo, referiu ainda aquele historiador.

O facto de Ossufo Momade ser “um militar urbano”, que foi um comandante importante da guerrilha da Renamo durante a guerra civil que terminou em 1992 e depois abandonou as matas para ir viver na capital do país, dá-lhe um cunho menos radical do que Afonso Dhlakama.

“Afonso Dhlakama conseguia ser um líder político da cidade e um militar do mato”, comparou.

Para aquele historiador, Afonso Dhlakama, que morreu em 2018, após cerca de 40 anos na liderança da Renamo, dirigia a organização como dono e não apenas como presidente, o que explica a ausência de contestação à sua liderança.

“Afonso Dhlakama nunca quis um número dois na liderança da Renamo, ele não era apenas o presidente do partido, era também dono”, defendeu Michel Cahen.

A Renamo perdeu todas as seis eleições gerais realizadas na história do multipartidarismo moçambicano contra a Frelimo.​​​​​​​

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Bolsonaro: "Não me preocupa a reeleição"

MoçambiquePolítica

Ataque de dissidentes da RENAMO faz dois mortos e quatro feridos graves no centro de Moçambique

MoçambiquePolítica

Analistas: Henriques Dhlakama tem de construir o seu projeto para ter relevância política

BrasilPolítica

Um em cinco moradores de São Paulo admite não votar por medo do coronavírus

Assine nossa Newsletter