Milícias filmadas em Cabo Delgado: por Alá ou negócios do gás...

Milícias filmadas em Cabo Delgado: por Alá ou negócios do gás…

No conjunto de vídeos recolhidos no terreno, eliminámos imagens chocantes – de cadáveres mutilados – e ladainhas de propaganda terrorista. Não as promovemos. O PLATAFORMA publicou na última semana várias pistas sobre os motivos por trás dos massacres: conflitos étnicos, ameaça do Estado Islâmico, lutas internas de poder, interesses estrangeiros ligados ao gás natural… Veja as milícias armadas, de cara tapada.

“Queimam casas, matam pessoas e decepam cabeças”, descreve o Bispo de Pemba, tendo já provocado mais de 1.100 mortes e 200.000 deslocados, segundo o Centro para a Democracia e Desenvolvimento. Em entrevista ao PLATAFORMA, D. Luíz Fernando Lisboa, recusa a tese da guerra religiosa, pois as explicações são muitas; “não é una”. As milícias armadas, de cara tapada, falam várias línguas – incluindo o português – misturam-se com as populações, contam histórias diferentes… “Na verdade, não sabemos bem o que eles querem”, resume D. Luíz Fernando Lisboa.

Em entrevista ontem publicada ao PLATAFORMA, Adriano Nuvunga, diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento, ONG com sede em Maputo, sustenta que a tese de que o terror é fomentado por “lutas internas” entre “grandes chefes” da política e da economia moçambicana, que “instrumentalizam” o Exército e a polícia, permeáveis à “corrupção”. Denúncia que encontra eco em declarações recentes do próprio presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

Sobre a atuação das milícias armadas, Nuvunga esclarece que o terror é diário – não é só feito de mortes. Os ataques “são cada vez mais frequentes”, mas “os insurgentes passam regularmente e misturam-se nas aldeias. As comunidades passam as noites na mata, com medo de voltar às suas casas”.

O PLATAFORMA publicou no sábado várias notícias com denúncia dos massacres feita pelo Bispo de Pemba; ontem, as explicações do diretor do Centro para a Democracia Desenvolvimento. A partir de hoje, na nossa página do Facebook, pode ver em vídeo as duas entrevistas completas, para uma compreensão profunda e detalhada do drama que se vive em Cabo Delgado.

D. Luíz Fernando Lisboa e o terror que se vive no terreno

Adriano Nuvunga e os negócios por trás do gás natural a alimentarem o massacre

Artigos relacionados
BrasilMoçambique

Graça Machel: “Nenhum país trata as mulheres como seres completos”

MoçambiquePolítica

Líder islâmico apela ao diálogo na luta contra os insurgentes em Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Uso de mercenários em Cabo Delgado levanta onda de críticas

Assine nossa Newsletter

Vale a pena ler...
Bispo de Pemba alerta: “Vivemos a fugir sem saber para onde”