Semana Chinesa em Macau combate ‘slogans’ e permite entender a China - Plataforma Media

Semana Chinesa em Macau combate ‘slogans’ e permite entender a China

A Semana da Cultura Chinesa estreia na segunda-feira em Macau com o lançamento de livros traduzidos pela primeira vez do chinês para português, um passo para combater ‘slogans’ e melhor perceber a China, disse à Lusa um dos organizadores.

A iniciativa é promovida pela Fundação Rui Cunha, que acolhe o evento, o jornal Hoje Macau e a editora Livros do Meio, durante a qual serão lançados sete livros, cinco dos quais nunca tinham sido traduzidos antes do chinês para português.

“Acho que é até um pouco o nosso dever e obrigação da comunidade portuguesa de Macau encetar esse trabalho”, sustentou o diretor do jornal Hoje Macau e proprietário da editora.

“Este é um primeiro passo. E também quero mostrar à comunidade chinesa em Macau que a comunidade portuguesa se interessa pela sua cultura e que quer entender, que não estamos aqui para estarmos fechados na nossa própria bolha e que há pessoas que têm interesse em ir mais longe e em entender melhor o que passa do outro lado”, afirmou Carlos Morais José.

“Estes livros acho que ajudam muito, não só em extensão, como em profundidade, em compreender a mente chinesa. As pessoas vivem um bocado de ‘slogans’ e de lugares comuns”, explicou.

Afinal, acrescentou, “é muito importante no mundo contemporâneo compreender a China, que se tornou num dos parceiros mais importantes no mundo global”, até porque “existem muitos mal-entendidos em relação à China e à cultura chinesa”.

Pensamento, poesia, etnografia, estratégia militar e teoria da pintura são os temas abordados no lançamento dos livros durante a semana cultural durante cinco dias, pelas 18:30 (11:30 em Lisboa).

No dia de estreia, são apresentados dois livros do cânone confuciano: “Estudo Maior” (Da Xue) e a “Prática do Meio” (Zhongyong).

“O confucionismo é uma doutrina moral” com impacto em “um terço da humanidade: China Japão, Coreia, Vietname, de algum modo a Tailândia, o Laos, o Camboja, um pouco a Indonésia” e, por isso, “importante para compreender muitos dos comportamentos dos orientais e dos chineses em particular”, salientou Carlos Morais José.

Os livros a lançar nesta semana cultural, “explicam, talvez de uma forma que eu até hoje nunca vi em português, os conceitos do pensamento chinês, que é uma coisa difícil de apreender, na verdade”, concluiu.

Na terça-feira, é a vez de “As Leis da Guerra”, de Sun Bin, um descendente de Sun Zi, o autor da famosa “Arte da Guerra”.

Um dia depois, o protagonista é “O Divino Panorama – Um Inferno Chinês”, um texto “que reúne influências do budismo, taoismo e confucionismo na construção de um mundo infernal onde as almas dos mortos se expurgam dos erros e pecados cometidos em vida”, destacou a organização.

Na quinta-feira, são dados a conhecer dois volumes de ensaios fundamentais sobre pintura clássica, do século VI ao século XVIII, para, finalmente, no último dia, se dar espaço à poesia, com o lançamento de a “Balada do Mundo”, de Li He, um poeta da dinastia Tang.

Artigos relacionados
CulturaMacau

O fim da Paixão – A disputa pela Cinemateca

ChinaCultura

23ª edição da feira do livro de Macau arranca amanhã

ChinaCultura

Artista de Taiwan exibe obra na Creative Macau

CulturaMacau

15.º aniversário de Macau como Património Mundial celebrado com folclore português

Assine nossa Newsletter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *