Cada número é uma pessoa - Plataforma Media

Cada número é uma pessoa

Uma flor verde e cor-de-laranja. Pontos imperfeitos em pano branco. Descobri-o há meia-dúzia de dias, no abismo do mudar de casa, dobrado em quatro, no fundo de uma gaveta. Por momentos, esqueci os caixotes e recordei o crochet desengonçado. “Toma. Para te lembrares do dia em que voltei a ter casa. E nome”. Quando não tinha nada – nem nome – bordava. No remoinho do campo de refugiados, o medo dos filhos colado às pernas e as agulhas a tiquetaquearem a escuridão. Era um número. Era um dos 1,8 milhões de deslocados da Guerra da Bósnia. Era um de milhares de refugiados. Naquele dia, voltava a ter nome. Aura. E casa. A chave trémula na fechadura. As lágrimas a rangerem no rosto. Uma década depois da fuga, regressava a casa. Um apartamento em Dobrinja, um dos bairros martirizados de Sarajevo. Por ali, a guerra fez-se prédio a prédio, casa a casa, família a família. Ela é bósnia, o marido sérvio. Escaparam com os filhos às costas, por entre um festival de bombas. O ódio racial e religioso tem o costume de enfeitar o céu de chumbo. Naquele dia em que regressou a casa, o edifício continuava esventrado de balas, mas isso pouco importava. Naquele dia, deixava de ser só um número. Voltava a ser a Aura.

Nenhum governo pode esconder o destino da sua gente.

Conheci-a em 2001, a guerra calada desde o final de 1995 e ela finalmente a retornar a casa. A saltar da contabilidade dos refugiados. Há estatísticas onde ninguém quer estar, mas se não tivesse sido um número, provavelmente não teria conhecido a sua história. A sua mão a confiar o pano na minha: “Toma. Para não te esqueceres da Aura”. Tomei. Volto a dobrá-lo em quatro, arrumo-o num caixote, comigo de mudança em mudança. Para não me esquecer que a estatística é uma moldura. Cada número, um rosto. Não tivesse Aura sido um número e o sofrimento da guerra, o desespero dos refugiados não teria conta. É preciso contar espingardas. E vítimas. Cada número é um de nós. 

Já arrumei o bordado na casa nova, mas a Aura continua ao meu lado. Faz-me pensar no desvario que assola o Brasil. O (des)governo de Jair Bolsonaro desatina com a estatística da Covid-19. Ameaçou calar os números, depois quis comunicá-los a seu bel-prazer, deixando de somar totais de casos e de mortes. Há números que podem prejudicar a contagem de votos. Mas calar os números é apagar o presente. A verdade dos nomes. Felizmente, um consórcio de meios de comunicação social cumpriu o seu papel e assumiu a tarefa de divulgar a realidade. Na terça-feira, mais 1185 óbitos, ao todo 38.497 pessoas mortas. Nenhum governo pode esconder o destino da sua gente. Escamotear os números é apagar os nomes. Quem não conhece os sues mortos, não pode cuidar dos seus vivos.

*Jornalista

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoSociedade

Risco da variante Ómicron continua muito alto, diz OMS

ChinaDesporto

COI confirma 72 casos relacionados com Jogos Olímpicos de Inverno

AngolaBrasil

Pandemia agradece aos individualismos

Lifestyle

Adele chora ao cancelar espetáculos em Las Vegas devido ao Covid

Assine nossa Newsletter