Países lusófonos capazes de testar novo coronavírus e com apoio do INSA - Plataforma Media

Países lusófonos capazes de testar novo coronavírus e com apoio do INSA

“Temos uma relação muito forte com os países, não só os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), mas também a CPLP, que inclui Timor-Leste”, disse Fernando de Almeida, a propósito da tradicional colaboração entre este instituto e os laboratórios dos países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Ainda antes de declarada a pandemia, o INSA disponibilizou-se para ajudar os laboratórios destes países e desde logo recebeu pedidos de cooperação de alguns Estados, como Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

A colaboração nesta fase pandémica tem-se registado com Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Angola.

Em relação a São Tomé e Príncipe, Fernando de Almeida explicou que se trata de uma colaboração “mais recente”.

“Temos vindo a dar apoio, não só em termos técnicos e de avaliação e de ajuda na metodologia que eles estão a implementar, mas também já fizemos alguns testes para comparar e para perceber o momento de aflição que eles tiveram lá”, adiantou.

E prosseguiu: “Com Cabo Verde a mesma coisa. Estamos a ajudar a montar a técnica e estamos em colaboração permanentemente”.

“Hoje em dia, felizmente, as novas tecnologias permitem-nos fazer estas videoconferências e é muito mais fácil, pois estamos relativamente impedidos de viajar para esses países”, acrescentou o responsável.

Na Guiné-Bissau, o INSA está a apoiar com técnicos no terreno, com quem os especialistas portugueses têm trocado conhecimentos por videoconferência.

Neste país, “a metodologia foi montada com base nos equipamentos e no ensinamento” do INSA “para a capacitação de recursos humanos quando foi do Ébola”.

“Conseguimos fazer a capacitação. Felizmente não houve nada na Guiné-Bissau sobre o Ébola, mas enquanto lá estivemos formámos e capacitámos pessoas e ficou lá algum equipamento. Agora, eles já conseguiram fazer essa metodologia”, referiu.

A colaboração também se estende a Angola, país com o qual o INSA tem colaborado ao nível dos testes e com quem está “permanentemente em conversação”.

Com Timor-Leste, os especialistas do instituto têm trocado informações técnicas científicas sobre os novos testes, nomeadamente quais os que devem ser utilizados.

A colaboração com estes países deverá em breve aumentar, uma vez que o INSA está em articulação com o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua para ver que o tipo de colaboração que, tal como outras instituições, fornecer a Angola, Moçambique, Timor-Leste, Guiné-Bissau, São Tomé e Cabo Verde.

Fernando de Almeida acredita que estes países já dispõem, de um modo geral, de capacidade de resposta à pandemia.

“Podem ter alguma dificuldade momentânea, faltar um regente aqui ou ali, mas a ideia que me chega é que eles têm essa capacidade e está tudo a correr como aquilo que é possível e desejável, atendendo às circunstâncias desta pandemia”, disse.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 214 mil mortos e infetou mais de três milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 840 mil doentes foram considerados curados.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 1.467, com 33.273 casos da doença registados em 52 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, Guiné Equatorial lidera em número de infeções (258) e uma morte, seguido de Cabo Verde (113 e uma morte), Moçambique (76), Guiné-Bissau (74 e uma morte), Angola (27 infetados e dois mortos) e São Tomé e Príncipe tem oito casos confirmados.

Em Portugal, morreram 948 pessoas das 24.322 confirmadas como infetadas, e há 1.389 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Related posts
Brasil

Autoridades de saúde do Brasil aprovam volta do uso de máscaras em aviões e aeroportos

Macau

Covid-19: Vacinas para combater ómicron chegam ainda este mês em Macau

Brasil

Vacinação contra covid-19 no Brasil salvou 63 mil idosos em 2021

China

Chefe do Executivo de Hong Kong testa positivo para covid

Assine nossa Newsletter