O vírus é uma ameaça para os 50 milhões de refugiados nos seus países - Plataforma Media

O vírus é uma ameaça para os 50 milhões de refugiados nos seus países

Os dados são do Observatório de Deslocados (IDMC) e indicam que há mais 10 milhões de deslocados do que no ano anterior. Concretamente, 50,8 milhões de pessoas, um número recorde, como noticia hoje o jornal espanhol El País com base no relatório do IMDC.

A maioria foge (sem sair do país) dos conflitos armados e da violência (45,7 milhões), e outros das catástrofes naturais (5,1 milhões).

Num e noutro caso, enfrentam agora um pavor comum: a pandemia de coronavírus, face à qual qual não podiam estar mais desprotegidos.

“As pessoas deslocadas são muito vulneráveis, vivem em acampamentos abarrotados, refúgios de emergência e abrigos improvisados com escasso ou nulo acesso a cuidados sanitários”, observou, em declarações ao El País, a diretora do IDMC, Alexandra Bilac.

“A pandemia global do coronavírus vai agravar as suas condições de vida, já por si precárias, limitando ainda mais o acesso destas pessoas aos serviços essenciais e à ajuda humanitária”, acrescentou a responsável.

Os deslocados pela guerra e pela violência localizam-se sobretudo em países como Síria, Colômbia, República Democrática do Congo (RDC), Iémen e Afeganistão. Muitos dos habitantes que fugiram das suas casas ainda não puderam voltar muitos anos depois.

Os desastres naturais (inundações e terramotos, sobretudo) causaram a deslocação de 5, 1 milhões de pessoas em 95 países, incluindo 1,2 milhões de pessoas deslocadas depois de anos de seca e inundações no Afeganistão, mais de 500.000 por causa das chuvas e monções na Índia e mais de 33.000 no Haiti, uma década depois do devastador terramoto de 2010.

Related posts
MoçambiqueMundo

Papa Francisco doa 100 mil euros para apoiar deslocados de Cabo Delgado, Moçambique

MoçambiqueMundo

Exclusivo Plataforma: Em Cabo Delgado "não há diálogo com os terroristas"

MoçambiqueSociedade

Ataques no centro de Moçambique provocam 7.780 deslocados

MoçambiqueSociedade

Rui, o pequeno milagre que desafia a tripla desgraça de Cabo Delgado

Assine nossa Newsletter