A atribulada viagem do "último navio à face da terra" chega ao fim em Marselha - Plataforma Media

A atribulada viagem do “último navio à face da terra” chega ao fim em Marselha

Quando o cruzeiro Magnifica deixou Génova, na Itália, a 5 de janeiro, o mundo era muito diferente do que é hoje. A “nova pneumonia”, como era chamada na altura, ainda não tinha nome. A Organização Mundial da Saúde ainda não tinha registo de mortos para a doença e apenas 59 pessoas tinham sido infetadas, todas em Wuhan, na China. A maioria dos 1 760 passageiros do Magnifica – principalmente italianos, franceses e alemães – não tinham ouvido falar do vírus. E assim continuaram por algum tempo, entusiasmados com a viagem, enquanto assistiam o pôr-do-sol no Bar del Sole do barco ou comiam no restaurante Quattro Venti.

Muito mudou desde então. Apanhado a meio da pandemia, o Magnifica viu vários portos serem-lhe fechados. Sem ter para onde ir, o comandante Roberto Leotta decidiu interromper a viagem em março em Sidney, na Austrália, e o navio de propriedade suíça iniciou uma longa jornada para casa. Os passageiros, acostumados a um novo porto todas as semanas, estiveram pela última vez em terra há seis semanas. Até esta segunda-feira terem, finalmente, terminado a sua viagem em Marselha, França.

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
MundoSociedade

Coreia do Sul pretende alcançar “imunidade de grupo” em Novembro

CulturaLusofonia

Associação de Macau desafia comunidades lusófonas a retratarem pandemia

MacauSociedade

Vacinação gratuita em Macau abrange TNR e estudantes de fora

MundoPolítica

Atraso da vacina nos países mais pobres ameaça economias desenvolvidas

Assine nossa Newsletter