Escritor chileno Luis Sepúlveda morre, vítima de Covid-19 - Plataforma Media

Escritor chileno Luis Sepúlveda morre, vítima de Covid-19

Luis Sepúlveda, o primeiro paciente diagnosticado com coronavírus nas Astúrias, morreu nesta quinta-feira. O escritor chileno radicado em Gijón há diversos anos, encontrava-se internado desde 29 de fevereiro no HUCA.

Sepúlveda chegou ao HUCA por conta própria na tarde desse dia. No dia anterior, foi ao Sanatório de Covadonga em Gijón. Naquela altura, a sua condição de saúde não aparentava ser grave. No dia seguinte, voltou e de lá foi transferido para Oviedo com sintomas de pneumonia que acabaram por confirmar-se serem resultado de infeção por SARS-CoV-2.

O escritor tinha acabado de chegar da Póvoa de Varzim, em Portugal, depois de ter sido um dos convidados do Festival Literário Correntes D’Escritas. Consigo viajou a sua mulher, Carmen Yáñez, também escritora, bem como o amigo, Miguel Rojo. Nenhum deles foi infetado com o novo coronavírus. Durante semanas, Carmen Yáñez permaneceu no mesmo hospital que o marido, mas todos os testes realizados deram um resultado negativo. Rojo nunca precisou de hospitalização ou tratamento.

Durante o mês e meio que esteve hospitalizado, Sepúlveda registou diversos episódios de agravamento da sua condição de saúde, embora todos tenham sido controlados. Contudo, apesar de alguns momentos de estabilidade, o escritor não deixou mais os cuidados intensivos e, nos últimos tempos, a sua condição agravou-se mais.

Nesse período, a unidade de cuidados intensivos do HUCA passou de tê-lo como o primeiro e único paciente de Covid-19 para uma situação muito diferente, devido ao avanço do vírus em Espanha. Numerosos pacientes passaram pelas instalações, muitos dos quais superaram a doença e hoje estão na enfermaria ou já tiveram alta.

Diversos escritores portugueses, que estiveram presentes no mesmo festival literário que o chileno, revelaram, na altura, ao Plataforma que desejavam que Luís Sepúlveda recuperasse rapidamente.

Luis Sepúlveda, escritor, jornalista e cineasta nascido na cidade chilena de Ovalle em 1949, morava em Gijón desde 1997. Preso durante o regime de Pinochet, Sepúlveda deixou o seu país em 1977. Depois de morar em vários países do continente americano, mudou-se para Europa, onde morou pela primeira vez em Hamburgo, na Alemanha. Em 1989, o seu romance “O velho que lê histórias de amor” tornou-se um fenómeno literário de grande sucesso.

Related posts
CulturaEntrevista

“Cada livro é um degrau para os próximos”

MundoSociedade

Metade dos recuperados apresentam sintomas de “covid longa”

MacauSociedade

Há novas regras para quem viaje para Macau

MundoSociedade

Vírus não está controlado nem pandemia vencida, alerta OMS

Assine nossa Newsletter