Artista angolana em Portugal vive confinamento como solidão para criar obra - Plataforma Media

Artista angolana em Portugal vive confinamento como solidão para criar obra

“Para mim não é novo estar em quarentena. A criação precisa de um espaço nosso interior, precisamos estar sós. Eu estou habituada a estar só”, disse à agência Lusa.

Apesar desta familiaridade com a solidão, na casa de “Dília”, como é conhecida, não falta gente, uma vez que esta habitação em Setúbal é também um atelier onde ela e o marido, um professor universitário de origem indiana já reformado, dão aulas e explicações.

Antes desta forma de viver, “Dília” deu aulas em escolas públicas, mas desistiu porque não se ajustava “ao sistema social que estava, e está, instalado”.

“Como uma borboleta”

O facto de o casal trabalhar em casa obrigou a “um rigoroso horário” e, por isso, na primeira semana sem alunos sentiu-se “como uma borboleta”.

“Não sabia o que fazer, estava sem alunos, mas sempre a esperar por eles”, disse.

Na segunda semana de confinamento, a artista descobriu que tinha uma casa.

“Apercebi-me que podia andar descalça ou de robe e não precisava de ter cara de professora a partir das 09:30”, contou.

Mas uma semana depois, o casal foi confrontado com uma descoberta: “Descobrimos que os alunos são a nossa família”.

“Deu uma dor dentro de mim, mais a mim do que ao meu marido, que é mais racional. Eu sou muito emotiva. Gosto tanto dos meus alunos, de os ajudar a conseguirem boas notas, ajudar os que têm mais problemas na escola. E quando falei com eles, disseram que também estavam a sentir a minha falta”.

Agora, “Dília” afirma que vive um dia de cada vez e sem grandes novidades.

“Eu sempre vivi na corda bamba e sempre nos habituamos a viver apenas com o essencial. Esta é a nossa lógica de vida: depender o mínimo”.

Um treino que a artista aprendeu em Angola, onde a guerra a ajudou a relativizar as coisas.

“Mais juntos”

Aos 63 anos e com três décadas de Portugal, pensa muitas vezes nos que não têm nada, o que é “um treino para respeitar todas as pessoas que vivem no planeta”.

E acredita que a pandemia que se vive vai ajudar a centrar as pessoas no que realmente interessa.

“Este é o tempo de estarmos mais juntos e de nos percebermos que somos de facto irmãos”, disse.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou a morte a mais de 100 mil pessoas e infetou mais de 1,6 milhões em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, mais de 335 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Related posts
BrasilDesporto

Brasil-Argentina suspenso após intervenção das autoridades sanitárias

ChinaPolítica

Comissário do MNE acusa EUA de politizar vírus

MundoPortugal

Pandemia reduziu natalidade, especialmente em Portugal, Espanha e Itália

ChinaPolítica

Embaixada da China nos EUA denuncia “manipulação política”

Assine nossa Newsletter